DENÚNCIA: Especialistas mostram como a pornografia está destruindo o comportamento sexual dos jovens


Como muitos de vocês sabem, acompanhei o andamento da Motion 47, que teve o Comitê Permanente Canadense de Saúde examinando o impacto da pornografia sobre a violência sexual e sobre a sociedade em geral. Com mais de 80 por cento dos homens consumindo regularmente pornografia e agora quase metade das mulheres, é por razões óbvias que não são fáceis de levar as pessoas a terem um longo e difícil olhar para o que está acontecendo.

As pessoas têm interesse em não cavar muito profundamente em uma questão que poderia implicar seu próprio uso de pornografia, e é por isso que fiquei emocionado quando os deputados de todas as partes [do Canadá] concordaram que este era um problema que merecia atenção.


O Comitê Permanente ouviu uma grande variedade de especialistas, pesquisadores e terapeutas, todos destacando uma e outra vez o impacto insidioso que a pornografia violenta está causando. (...)

Os especialistas explicaram que a pornografia violenta era predominante e provocava uma onda de agressividade sexual entre os jovens. Eles observaram que o uso de pornografia é uma fonte inspiradora do sexo anal violento, fazendo com que mulheres usem tampões para evitar hemorragias e vazamentos. Explicaram também que a pornografia está normalizando agressões e abusos sexuais como um comportamento sexual "comum".

A Dra. Mary Anne Layden  destacou uma pesquisa significativa que revela como a exposição à pornografia, especialmente a pornografia violenta, pode aumentar a violência sexual e a coerção.
Lianna McDonald, diretora executiva do Centro Canadense para a Proteção da Criança, revelou as ligações entre infratores sexuais infantis e a pornografia.
Dr. Gail Dines falou sobre o impacto da produção em massa de imagens violentas e degradantes de mulheres na mente de homens e meninos.
O Dr. Sharon Cooper, pediatra forense, delineou sete maneiras diferentes nas quais a pornografia para adultos prejudica as crianças.

Em outra ocasião, eles pediram uma ação governamental significativa para manter o material pornográfico violento fora das mãos de crianças, políticas que já estão sendo pioneiras em outras nações ocidentais, como o Reino Unido. Dediquei tempo para analisar cada um dos relatórios apresentados ao Comitê Permanente de Saúde. A menos que você tenha um estômago extraordinariamente forte, não aconselho que você faça o mesmo.

Mas, como os membros deste comitê - quase universalmente masculino - respondem ao testemunho de especialistas sobre o impacto da pornografia violenta em mulheres? Com total desrespeito e despreocupação, um "relatório de opinião maioritária" composto quase inteiramente por homens avaliando quase sem controle pesquisas apresentadas por mulheres que trabalharam nessas questões há décadas.

Na verdade, o relatório final [dos deputados canadenses sobre as pesquisas dos especialistas] admitiu que , embora pareça haver uma ligação entre a violência sexual ou comportamento “sexualmente problemáticos” e a pornografia, havia certas falhas sobre causalidade e semântica, com a falta de 100% de concordância sobre o que, especificamente, deveria ser considerado como "violento" e "degradante".

Portanto, segundo eles, as recomendações dos especialistas não deveriam ser significativas - na verdade, eles simplesmente concluíram e fizeram o que os liberais sempre querem fazer - implementar mais educação sexual com foco em aprender sobre:

"O espectro diferente de expressões e identidades sexuais, incluindo comunidades lésbicas, gays, bissexuais, transsexuais, transexuais, intersexuais, queer (LGBTQ2 +), fornecendo suporte para a sua implementação".

Isso, obviamente, não teve nada a ver com o problema em questão  - descobrir como garantir que todos os jovens não tenham acesso a pornografia violenta - mas porque os membros do Comitê não quiseram abordar as questões suscitadas pelos especialistas, eles simplesmente se recusaram à reflexão do tema e empurraram a questão da educação sexual nas escolas invés disso.

Espero que esses piratas ideológicos leiam livros como Nancy Jo Sales, American Girls: Social Media e Secret Lives of Teenagers , que detalha o horrível impacto da pornografia em meninos e meninas na escola e do assalto sexual que é metastatizado por uma cultura pornográfica.

As vendas desse livro, só para constar, foram promovidas por um liberal pró-pornografia, após resolver dedicar um pouco do seu tempo para conversar com as pessoas impactadas por isso, fazendo-o mudar de ideia completamente sobre o tema.

Aproveite seu tempo para consultar o livro "Pornland", do Dr. Gail Dines, ou os "Custos Sociais da Pornografia" dos Institutos Witherspoon, ou os estudos do Dr. Norman Doidge. Para quem deseja enxergar a questão sem influência ideológica, a evidência existe, e exige uma resposta.

Comentário:

No ano passado houve o caso de um estupro coletivo no Rio de Janeiro, onde a mídia e os movimentos "feministas" (sim, entre aspas) repercutiram uma pecha chamada "cultura do estupro". Na ocasião, publicamos aqui o texto: "A Cultura do Estupro tem Nome: Pornografia!", revelando a verdadeira origem da cultura que sustenta os comportamentos sexuais violentos como um todo.

Às denúncias são graves e revela um dos lados mais sombrios da humanidade, pois há muito interesse comercial envolvido. A pornografia está entre os cinco mercados mais lucrativos do planeta, incluindo o tráfico humano (para exploração sexual), de onde são produzidas piores barbáries que homens e mulheres consomem, muitas vezes, sem notar os efeitos danosos disso em suas vidas.

Para entender um pouco mais, leia os relatos de uma ex-atriz de filmes pornográficos, no texto: "Pornografia - A Verdade sobre a Indústria Pornô".


Por: Jonathon van Maren para o  Life Site News
Comentário: Will R. Filho

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima