Marina Silva diz que PT, PMDB e PSDB se uniram contra a Lava Jato


Entrevistada pelo Estadão, Marina Silva evitou falar sobre o depoimento de Lula, mas deixou claro que o PT, PMDB e PSDB se uniram contra a Operação Lava Lato, após uma série de denúncias envolvendo lideranças dos três partidos


Perguntada pelo jornal, ela respondeu:

"Existem muitos movimentos que estão querendo arrefecer a Lava Jato dos grandes partidos da polarização: PT, PMDB, PSDB. É incrível como nunca se juntaram, mas agora estão juntos nesse esforço para combater a Lava Jato.

Tentar aprovar a anistia para o caixa 2 é para enfraquecer a Lava Jato. Aprovar voto em lista, para manter prerrogativa de partidos elegerem aqueles que dificilmente se elegeriam por estarem hoje investigados pela Lava Jato, para que tenham o foro privilegiado, isso é enfraquecer a Lava Jato.

A tentativa de aprovar no Congresso um projeto de abuso de autoridade para intimidar juízes e procuradores, isso é tentar enfraquecer a Lava Jato.


Ter deturpado as 10 medidas, para evitar a institucionalização do combate a corrupção, isso é enfraquecer a Lava Jato.

Quando se faz um discurso de a Lava Jato é que é responsável pelos problemas econômicos que foram criados por aqueles que estavam no governo juntos, PT, PMDB, há 13 anos juntos, isso é uma tentativa de enfraquecer a Lava Jato."

Marina Silva se refere aos esforços de políticos que estão sendo investigados pela operação. Nessa hora, o que está em jogo é mais do que a sobrevivência política, mas também a própria liberdade, tendo em vista que se depender do juiz Sérgio Moro, ao que tudo indica (bem diferente do "retardado" STF), a justiça chegará para todos.

Marina Silva é uma voz de conveniência?


Apesar desse posicionamento sobre a Lava Jato, Marina Silva não tem exposto muito suas opiniões nos momentos mais fervorosos do debate público. Como publicamos recentemente, ela parece "surgir" em momentos de conveniência, leia-se: eleitoral.

Devido a isso, ela sofreu críticas em 2016 durante as fases anteriores ao impeachment de Dilma Rousseff, recorrendo a poucos comentários sobre a legitimidade do processo e das manifestações que ocorreram pelo Brasil. Da mesma forma agora, sobre a série de denúncia envolvendo o ex-Presidente Lula, seu possível concorrente ao pleito em 2018, Marina Silva também se resume a poucas palavras.

Uma liderança capaz de encabeçar o Brasil, no entanto, não deveria ser uma voz ativa durante os 365 do ano? Não deveria estar envolvida com a opinião pública de modo participativo, influenciando a Nação através de posicionamentos claros sobre os mais diversos temas, e no momento em que eles aparecem, principalmente?

Tire suas próprias conclusões.


Por: Will R. Filho

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima