"Gravação foi adulterada", disse Michel Temer em novo pronunciamento

 

Em pronunciamento na tarde deste sábado (20), o presidente Michel Temer (PMBD) atacou a gravação feita por Joesley Batista contra ele no âmbito da delação da JBS e afirmou que irá pedir a suspensão do inquérito que o investiga no Supremo Tribunal Federal (STF).


Por meio de uma petição enviada ao STF, Temer argumenta que o inquérito não pode prosseguir enquanto a validade da gravação que o envolve não for analisada por um perito, segundo GloboNews. A decisão de abrir um inquérito foi tomada pelo ministro Edson Fachin após pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR). Na abertura do inquérito, Fachin afirmou que as gravações são legais e podem ser usadas como prova.


Para Temer, Joesley cometeu o "crime perfeito" e é um "conhecido falastrão". Citando o jornal Folha de S. Paulo, o presidente afirmou que o áudio contém mais de 50 edições e que o delator da JBS estava insatisfeito com o governo porque não tinha suas necessidades atendidas. Temer também negou que tenha sido conivente com a suposta compra do silêncio de Eduardo Cunha, "nunca comprei o silêncio de ninguém", disse.

"Não há crime em ouvir reclamações de um empresário e indicar ao interlocutor outra pessoa para ouvir suas lamúrias."

O peemedebista terminou o discurso afirmando que o país já apresenta resultados de recuperação econômica. "O Brasil não sairá dos trilhos, e eu continuarei à frente do Brasil."

Fonte: Sputnik

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima