Escola faz pesquisa sobre "identidade de gênero" com crianças de 10 anos e revolta os pais


Famílias canadenses estão alarmadas com a pesquisa que um distrito escolar da região de York, em Ontário, está fazendo com seus alunos, sob o pretexto de melhorar o "ambiente escolar" nas escolas.


O questionário pergunta a crianças entre 10 e 11 anos sobre a sua "identidade sexual" e se elas já receberam "fotos sexuais", conforme relatado pelo portal LifeSiteNews .

Tanya Granic-Allen, mãe e membro da organização "pais como primeiros educadores", está particularmente preocupada com o que está sendo pedido aos alunos do ensino fundamental, para que respondam questões relacionadas à ideologia gênero.

Mas o pior não é isso. A pior coisa é fazer a pesquisa sem que os pais saibam, fora da presença deles. "O que é bastante alarmante é que esta pesquisa está sendo concluída durante a aula e sem o envolvimento dos pais", diz Granic-Allen para o LSN .

Ela acrescenta que "isso é inaceitável, pois as crianças estão respondendo perguntas com forte conteúdo ideológico, especialmente sem a presença dos pais".


A pesquisa sobre o "ambiente escolar" é realizada a cada dois anos com base em uma lei que foi aprovada em 2012, pelo governo do primeiro-ministro Kathleen Wynne, do Partido Liberal.

A lei foi aprovada com a intenção de abordar assédio e discriminação nas escolas públicas , mas os liberais aproveitaram para dar um viés LGBT, sob o pretexto de "assédio de estudantes LGBT", disse Sue-Ann Levy, colunista de Toronto Sun .

A pesquisa pede que as crianças "indiquem o número de vezes que receberam mensagens sexuais, vídeos ou fotografias através de dispositivos tecnológicos nos últimos dois meses"

A pesquisa pede aos alunos com idades entre 10-11 anos, que indiquem se eles são "homens, mulheres, de sexo diferente, ou se preferem não ser identificados por esses gêneros", diz Levy. Também fazem perguntas relacionadas com álcool e drogas.

Quanto aos alunos com idades entre 15 e 18 anos, são dadas as seguintes opções para identificarem sua orientação sexual: assexuada, bissexuais, homossexuais, heterossexuais, intersex, lésbica, estranho ... entre muitas outras.

Segundo o Conselho Escolar de York, eles enviaram cartas aos pais para informá-los que os alunos iam fazer esta atividade. A pesquisa com os estudantes é "voluntária, confidencial e anônima", disse o porta-voz. Eles explicaram que "os alunos podem ignorar quaisquer perguntas que não quiserem responder". [como se isso já não fosse constrangedor para o aluno].

No entanto, uma coisa que os alunos não podem fazer é responder a pesquisa em casa com a supervisão dos pais.

De acordo com Granic Allen, a situação é mais delicada do que parece: "É claro que as questões do Conselho Escolar visam tentar normatizar a ideologia de gênero entre as crianças que ainda estão tentando compreender aritmética básica".

"Quando crianças de 10 anos são convidadas para uma pesquisa sobre 'identidade sexual', ficam confusas sobre como responder e não possuem seus pais na sala de aula para guia-las", explica ela.

Ela acrescenta que a pesquisa está escondendo sua verdadeira intenção, que é impor nas crianças e adolescentes uma visão ideológica sobre a sexualidade.

Fonte: Actuall

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima