Leite materno contra o câncer: cientistas modificam moléculas para novo tratamento


Uma equipe de cientistas da Áustria conseguiu modificar uma molécula derivada de uma proteína do leite materno para que esta atue como detector e ataque as células malignas em certos tipos de câncer de difícil tratamento.

A pesquisa se concentra na lactoferricina, um peptídeo (um tipo de molécula) presente no leite materno e do qual já eram conhecidas suas propriedades antimicrobianas, informou nesta segunda-feira em um comunicado a Universidade de Graz, no sul de Áustria.

O que os pesquisadores dessa instituição fizeram foi modificar essa molécula para que ela atuasse como detector de certos tipos de câncer que são de difícil tratamento, como o melanoma e o glioblastoma, um tipo de tumor cerebral.

Esta lactoferricina modificada é capaz de localizar a carga negativa da molécula fosfatidilserina presente na membrana das células cancerosas, aderir-se a ela e provocar sua morte, mas sem afetar as células saudáveis.


"O maior desafio no processo de desenvolvimento foi encontrar o correto equilíbrio entre toxicidade e especificidade. Se os peptídeos são muito ativos, também atacam as células saudáveis", explicaram Dagmar Zweytick e Sabrina Riedl, dois dos integrantes da equipe de pesquisa, na nota.

A lactoferricina é um derivado da proteína lactoferrina, que é abundante no leite materno. A lactoferricina faz parte do sistema imunológico e é uma das primeiras defesas contra corpos estranhos, como bactérias e fungos.

Seu uso na luta contra o câncer requer uma reestruturação de seus aminoácidos para conseguir a combinação correta.

A equipe da Universidade de Graz desenvolveu durante quatro anos de pesquisa 15 variantes da lactoferricina.

Duas delas foram utilizadas em ratos aos quais foram transplantadas células cancerosas humanas. Os cientistas observaram uma regressão média de 85% no caso do melanoma e de 50% no glioblastoma, em comparação com animais não tratados com o peptídeo lactoferricina modificado.

Além disso, os ratos saudáveis tratados com esse agente não sofreram nenhum dano.

A equipe dirigida por Zweytick está trabalhando na melhoria desse agente e está colaborando com uma farmacêutica na preparação de estudos clínicos que começarão a partir de 2019.

Comentário:

A ordenação biológica no desenvolvimento da vida humana contribui em tudo para nossa qualidade de vida. O que estes cientistas procuram fazer é reinventar a natureza para aplicá-a em um contexto "artificial", visto que nossa geração se distancia cada vez mais do que já fomos dotados naturalmente.

Eles sabem que o leite materno, bem como o processo de amamentar, é um dos melhores fatores protetivos contra o desenvolvimento não só do câncer, mas uma série de outras doenças, para a mãe e o filho(a), e procuram utilizar esse benefício para aplicação em uma gama mais ampla de situações.

Vale ressaltar que o processo de amamentação em si, desde o surgimento do leite no seio da mãe até a maneira como o bebê se posiciona em seu corpo para sugar o leite no corpo dela, de forma que possa olhar diretamente em seus olhos, exercem influência direta no desenvolvimento emocional-cognitivo da criança. Tudo isso pode refletir a qualidade de vida futura.

A natureza não existe da forma como veio existindo por milhares de anos, por acaso. Há um princípio de ordenação muito bem estabelecido que diz respeito aos mínimos detalhes da vida humana.


Fonte; EFE
Comentário: Will R. Filho


COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima