Egito decreta estado de emergência por três meses após ataque do Estado Islâmico


Abdul Fatah al Sisi, o Presidente do Egito, decretou o estabelecimento do estado de emergência no país no último domingo (9) por três meses, depois dos atentados contra duas catedrais do norte de Egito, onde morreram pelo menos 44 cristãos e mais de 100 ficaram feridos. Além disso, o Presidente informou também que forças do exército estão sendo mobilizadas para defender instalações vitais nas regiões sob ameaça.

Autoridades mundiais condenaram os ataques terroristas, incluindo o governo brasileiro, o Papa Francisco e a ONU, comunicando "profundas condolências às famílias das vítimas, ao governo e aos cidadãos da República Árabe do Egito", informou em um comunicado seu porta-voz, Stéphane Dujarric, segundo a agência Efe.

A grande questão, porém, é saber se tais condenações verbais surtem algum efeito sobre essas organizações terroristas. Ao que parece, não! Até quando?




COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima