A sedução do bizarro na moda zumbi - Por que o terror atrai tanto às pessoas?


Algum tempo atrás resolvi assistir todos os episódios disponíveis de dois seriados famosos, The Walking Dead e o Game of Thrones. Também inclui no pacote alguns filmes, todos de terror. Apesar de terem sido moda na época dos lançamentos, não tive o interesse de assisti-los, mas com a explosão de filmes e seriados falando de zumbis, ataque de mortos-vivos e outras coisas do tipo, resolvi tentar entender isso que venho chamando de "a sedução do bizarro"!

Meu questionamento inicial  foi o de entender como cenas de putrefação, carnificina, assassinatos, canibalismo, ódio, traições, incestos, poderiam ser tão atraentes e conseguir reunir gostos de pessoas tão diferentes, dos mais jovens aos mais velhos. Obviamente, além do envolvimento emocional com a própria trama das produções.


O que existe de especial em cenas que exploram a morte e o terror, suficiente para criar um estilo, a "moda zumbi" que se espalhou pelo mundo? 

Minha ênfase está sobre o seriado The Walking Dead, mas várias outras produções também exemplificam a questão no início do seu desenvolvimento até o presente, incluindo às que envolvem mistérios, mitos e espiritualidade, numa mescla de violência, romantismo e aventura.

Não existe uma mesma resposta para explicar a sedução por essas produções. É possível explorar várias nuances, das quais tentarei abordar aqui apenas alguns aspectos.

Do momento que comecei a escrever essa matéria (em 2013) para quando vim resolver terminar e publicar (em 2017), após todo esse tempo salvo como rascunho, vários outros filmes e séries de TV surgiram com a mesma temática zumbi. Isso, para mim, serviu para comprovar a tese do artigo, de que houve, de fato, uma "sedução do bizarro" na população, ao ponto de tais produções refletirem essa realidade. O que vamos procurar entender aqui é a razão desse fenômeno e o que isso tem a ver com o seu comportamento.


Histórias de Terror e zumbi são frutos da modernidade?


Não! Histórias de terror e mistério não são novidades. Antes que houvesse produção cinematográfica, nos teatros gregos antes de Cristo já eram explorados temas de violência e fantasia. Aliás, não é uma exclusividade dos gregos.

Histórias de criaturas que roubavam cadáveres e os faziam ressuscitar, por exemplo, presentes em algumas comunidades indígenas, encontram paralelo nas ideias sobre vampiros e lobisomens da atualidade.

No livro "Ritos Estranhos no Mundo", do francês Jacques Marcireau, o autor ilustra inúmeros costumes de povos antigos, dos quais a "escarnação" (retirar a carne do morto, antes de enterrá-lo) e a própria cerimônia fúnebre do velório, por exemplo, possuem todos fundamentação "mítica", com base em contos, lendas de monstros, vampiros e espíritos, etc., de onde podemos retirar a ideia de que o terror não é apenas um produto "na" história, mas um elemento constituinte dela mesma

A mitologia grega é apenas outro exemplo, está repleta de elementos sobre monstros, deuses e demônios, como também as antigas culturas célticas e nórdicas. A grande diferença em relação ao terror atual é que nas produções antigas eram feitos relatos do cotidiano, sendo interpretações também de lendas e ensinamentos comunitários.

Não havia uma "cultura do terror" que procurasse explorar os aspectos mais bizarros da imaginação humana, mas sim expressões dramatúrgicas que procuravam traduzir a compreensão da comunidade, dos povos, sobre eventos da natureza, religião, política, guerras e das relações humanas em geral.

Ou seja, os contos de terror no passado eram nada mais do que formas de COMUNICAR e PRESERVAR a cultura de um povo.


E o terror - zumbi - na atualidade?


O Terror na atualidade virou cultura. Não é mais uma representação fantasiosa do social, porque este não encontra reflexo na compreensão da sociedade (lendas, crenças e ensinamentos, etc).

O que na antiguidade era a representação do modo de compreensão do povo, hoje é o "realismo do imaginário", uma vez que a compreensão não reflete mais a ignorância sobre os fenômenos da cultura, natureza, política e até mesmo da religião, que davam vida às histórias de terror no passado.

Em outras palavras; atualmente sabemos que cadáveres não são roubados por vampiros. Demônios não se materializam (?), não existem Hércules. Bruxas não são criaturas das trevas, ciclopes, minotauros e medusas não passam de figuras mitológicas.

Então, por que ainda damos vida à histórias como essas e continuamos alimentando a imaginação com cenas e interpretações cada vez mais bizarras?

Se a evolução do conhecimento desmitificou às velhas lendas e hoje enxergamos com clareza a natureza dos fenômenos, por que ainda somos seduzidos pela imaginação das histórias de terror, valorizando ao máximo os aspectos mais sombrios e angustiantes da imaginação humana? Podemos fazer algumas considerações.

Impulsos de morte explicam a sedução do bizarro?


Resumidamente, alguns Psicanalistas e Psicólogos adeptos da teoria freudiana, argumentam que os chamados "impulsos de morte" (ou, "pulsão de morte"), conceito desenvolvido por Freud certamente com base na publicação de Sabina Spielren, "A destruição como Causa do Devir" (1912), pode ser o responsável pela "sedução do bizarro" e, consequentemente, o gosto pelo terror.

Segundo esse conceito, todo ser humano, assim como possui os "impulsos de vida" (princípio do prazer), também possui os "impulsos de morte" ("para além do prazer"), podendo em algumas pessoas prevalecer um ou outro.

A divisão desses conceitos é por critério didático, uma vez que o pai da psicanálise não enxergava ambos independentes, mas integrados e agindo mutuamente. Os impulsos de morte seriam, portanto, os responsáveis, por exemplo, pela agressividade humana.

A morte, segundo Freud, seria o desejo "inconsciente" que todo ser humano tem de se libertar da angústia (alcançar o "nirvana"), uma vez que viver seria a dor provocada pelo conflito entre a satisfação do prazer e o controle social (O Mal Estar na Civilização), daí o motivo da morte ser, para os que defendem essa teoria, um objeto de atração, especialmente sedutora nas histórias e filmes de terror.

Mas será essa uma explicação suficiente e aceita com facilidade no meio acadêmico? Não! Ora, ela não é/foi só muito criticada, como rejeitada por grande parte dos psicanalistas e teóricos posteriores à Freud.

Carl Gustav Jung, por exemplo, o segundo maior representante da psicanálise, junto com Lacan e Melanie Klein respectivamente, discorda desse conceito.

Para Jung o ser humano é "teleológico". Isto é; se direciona para o futuro e por ele é motivado, de modo que às qualidades das motivações são o que direcionam o comportamento humano e não os "impulsos", como sugeriu Freud.

Para Jung, a finalidade da vida é a realização do "Self", um "eu" completo, atualizado e integrado, mediante o equilíbrio de "papéis" e "funções" psíquicas na relação com o meio.

Da filosofia (Spinoza, Nietzsche, Kant, Schopenhauer, etc) à própria psicanálise e psicologia moderna, temos autores que contrariam a noção de um desejo supostamente inconsciente da morte, começando pela própria noção de existência do "inconsciente", que para Freud se apresenta quase como uma identidade viva e autônoma, o que Harry K. Wells na obra "O Fracasso da Psicanálise" chama de "antropomorfismo" e "hipostasiação".

Mas, finalmente, se a sedução do bizarro não se explica pelos impulsos de morte, o que explicaria a moda zumbi?


A depressão cultural coletiva e a perda de referência moral


Podemos concordar com Wells e entre outros motivos não reconhecer os "impulsos de morte" (nem o inconsciente na concepção psicanalítica) como explicação para a "sedução do bizarro".

Parece mais coerente, teoricamente falando, ter como ponto de partida uma compreensão da mente e comportamento humano assentados numa realidade que se escreve e reescreve à cada momento, conforme à vivência produto de um contexto onde o sujeito se relaciona e forma, a partir disso, sua percepção de mundo, como sugere Carl Rogers em sua abordagem "centrada na pessoa".

Neste sentido, podemos sugerir três fatores que parecem explicar melhor a sedução do bizarro na atualidade:

01 - A frustração humana com o ideal de civilização no sec. XX

Nos anos 60, especialmente década de 70 até os anos 1990, o mundo passou por inúmeras "revoluções" de pensamento, parte deles consequência da depressão mundial provocada pelas duas grandes guerras (1914-1918 / 1939-1945), bem como os muitos conflitos militares regionais na África, Oriente Médio, Ásia e Américas.

O avanço industrial e tecnológico, bem como a disseminação da filosofia humanista segundo os ideais do iluminismo e das ciências humanas, que muitos acreditavam poder banir a "ignorância" (supostamente das religiões, principalmente) e a miséria do mundo, não produziram os resultados esperados.

A "evolução" se deu apenas no âmbito material, mas não no humano. A tecnologia serviu para o aperfeiçoamento de armas cada vez mais potentes, entre elas as bombas atômicas que destruíram Hiroshima e Nagasaki, assim como para a exploração dos recursos naturais do planeta e sua consequente contaminação industrial.

Tanto a Filosofia como a Psicologia/Psicanálise se diluíram num mar de postulados que não conseguiram "orientar" a visão humana, para o humano, senão apenas em livros e métodos insuficientes para dar conta de tantos dilemas.

Com isso, temos um cenário de frustração implícito com nossa evolução social, apesar dos conhecimentos já adquiridos, e não há melhor forma de observar esse fato do que analisando criticamente as produções culturais. Isso nos leva ao segundo tópico:

02 - A reprodução das tragédias humanas como modelos de arte e cultura

O que a humanidade sente, teme, espera, deseja, ou seja: o que nossa cultura vivencia em dado momento é o que transparece nas artes e todas às formas de expressão da sociedade, da música que ouvimos aos filmes, programas de TV, etc. Portanto, o que reproduzimos na forma de cultura é o que diz respeito à maneira como nos sentimos. Todavia, como isso explica o efeito que tem sobre você, mesmo quando diz rejeitar o que é ruim?

Você é afetado por um conceito chamado "reforço de contingência", que nada mais é do que o conjunto de estímulos que recebe, de várias maneiras - condicionando - sua percepção, forma de pensar e agir em acordo com esses estímulos. Se trata, portando, de uma exposição contínua a uma coisa que você até pode dizer rejeitar, mas involuntariamente é afetado, compondo seu modo de entender e - reagir - ao mundo, visto que não vive em total isolamento.

Tal conceito, baseado na abordagem behaviorista de Frederic Sninner, é muito bem explicado por Diego Zilio em "A Natureza Comportamental da Mente", que nesse caso nos serve como compreensão parcial da "sedução do bizarro", melhor explicado a seguir:

03 - A transformação da tragédia em cultura e "show-business" (negócios)

Uma vez que a sociedade fica mergulhada num contexto "depressivo" e, portanto, adoecedor, começa a refletir os sintomas desse adoecimento de forma coletiva. Uma das principais características desse quadro é a descaracterização das identidades individuais, pela destruição gradual dos valores que durante anos serviram de fundamento para a manutenção social.

Um desses valores é a concepção trágica da "morte", a qual nos sensibiliza perante outros como a ideia de "sofrimento", "angústia" e o "luto", por exemplo. Todavia, a transformação das tragédias humanas, como assassinatos, violência urbana, guerras e outras misérias da humanidade numa espécie de "entretenimento", faz com que tais elementos percam o sentido fundamental, passando assumir às características do que está associado ao "show-business".

Dos filmes, seriados, desenhos, games, programas de TV como os reality shows policiais (Polícia 24 horas, por exemplo), noticiários focados em retratar a violência urbana diariamente nos horários nobres, dos quais muitos são carregados de elementos cômicos, piadas e especulações associadas aos fatos trágicos, visando "entreter" o telespectador, bem como a divulgação de vídeos violentos como de estupros, assassinatos, tortura, brigas, entre outros, em páginas de redes sociais como YouTube, Facebook e WhatsaApp, são alguns dos sintomas que refletem o grau de "anestesiamento coletivo" perante o sofrimento humano.

Pessoas jogando bola ao lado de dois mortos, vitimas do acidente na ciclovia da Avenida Niemeyer, em São Conrado
Pessoas jogando bola ao lado de dois mortos, vitimas do acidente na ciclovia da Avenida Niemeyer, em São Conrado.


A sedução do bizarro é uma consequência da perca de sensibilidade perante o sentido da "morte", do "sofrimento", de tudo o que é "trágico". Com isso, perdemos gradualmente a capacidade de ficar assustado e sensibilizados perante o "bizarro", uma vez que estamos consumindo às tragédias na forma de "entretenimento".

Portanto, o que muitos veem em conteúdos como The Walking Dead, por exemplo, ao ponto de se sentirem atraídos por ele, parece ser um reflexo do padrão de estímulos que já recebem diariamente na sociedade, por outros meios. Na prática, exatamente como quem busca no consumo das drogas manter os efeitos da "dependência" no organismo, tanto por condicionamento químico como por vínculo afetivo, o consumo do terror e da "cultura de morte" tem sido também alimentado dessa maneira. Os efeitos negativos são vistos no próximo tópico:

04 - A utilização da tragédia como linguagem de socorro 

Nenhum ser humano suporta muito tempo, de forma saudável, a condição contínua de sofrimento. O excesso de estímulos "trágicos" na mente humana provoca reações das mais diversas, desde uma confusão mental passageira, como o desejo da própria morte. Esse fato é muito bem observado em militares saídos de uma guerra, cujos traumas repercutem para o resto de suas vidas.

O atual estado de "involução" da cultura humana (regresso ao primitivismo) se choca com os valores já adquiridos com o desenvolvimento das civilizações. Muito embora estejamos cada vez "seduzidos pelo bizarro", ao mesmo tempo graças à concepção de humanidade que desenvolvemos, temos como perceber o nível desse adoecimento, sendo essa noção o que nos dá capacidade para enxergar alguns do sintomas da "tragédia" como um pedido de socorro na forma individual e coletiva.

É nessa perspectiva que podem enxergar os profissionais da saúde mental, da psicologia social e aprendizagem social-cognitiva, ao olhar a cultura humana como um imenso complexo social de sintomas comunitários, cujos efeitos se manifestam individual e coletivamente.

Neste sentido, a disseminação da "moda zumbi", como o incentivo à automutilação, exposição intencional à contaminação por HIV, a romantização do suicídio como na série 13 Reasons Why ou de sua idealização como forma de "cura", a exemplo do "jogo" Baleia Azul, são todos uma linguagem de comportamento carregando de forma implícita o pedido de socorro de uma geração assolada pela normatização da tragédia. 

Conclusão:

O tema é bastante amplo e esse texto teve por objetivo oferecer apenas algumas perspectivas. Todavia, temos motivos razoáveis para acreditar que a compreensão da perspectiva aqui exposta nos permite se aproximar melhor da verdadeira natureza do problema, invés de resumi-lo apenas à fatos isolados ou a uma leitura parcial, compartimentada do comportamento humano.

Por fim, talvez o que precisa ficar bem esclarecido é que a "sedução do bizarro" só tem esse efeito porque não estamos fazendo a separação, como deveríamos, das tragédias humanas do "entretenimento" e interesses de mercado. 

A mera retratação da imaginação humana, seja ela qual for, na forma de ficção, como em filmes, não são suficientes para produzir uma cultura adoecida. Isso acontece quando passamos a não diferenciar realidade e fantasia. É isso o que acontece quando associamos o terror da vida real ao "show-business", transformando em "diversão" o que, na realidade, deveria ser motivo de muito lamento e angústia humana.

Talvez a melhor maneira de reverter ou pelo menos minimizar a "sedução do bizarro" seja produzir e incentivar às culturas que valorizam a vida, o "belo", os valores históricos adquiridos com a evolução do que entendemos ser "civilização" e a concretude de conceitos que definem de forma clara e objetiva o que é "bom" e "ruim", "certo" e "errado", bem como "natural" e "não natural", visto que o excesso de relativismo tem sido responsável por grande parte dos sintomas destrutivos dessa geração.

Se você concorda e entende a importância dessa reflexão, compartilhe esse texto.


Por: Will R. Filho

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima