O quanto você precisa da internet para obter aprovação e se sentir valorizado?

 Como lidar com o vício na internet

Não é mais uma simples especulação. A internet, juntamente com toda parafernália do mundo virtual, tem se tornado uma extensão da vida de muitas pessoas. Mais do que isso; ela tem sido um meio para obter aprovação e suprir carências, basicamente, de ordem afetiva, ideológica e até espiritual. As pessoas que utilizam a internet dessa maneira dificilmente percebem a relação doentia com o mundo virtual, enquanto vão gradativamente aumentando a "virtualização" de suas vidas, até o momento em que os prejuízos no mundo real se tornam gritantes.

Distanciamento das relações humanas, entre pessoas como filhos, amigos, parentes, esposo e esposa, mãe e pai. Dificuldade de estabelecer vínculos afetivos e a incapacidade de lidar com os conflitos diários que exigem tempo, paciência e relacionamento. Falta de concentração no trabalho, pouco ou quase nenhum tempo de estudo, distração, impaciência. Queixas de amigos e familiares quanto ao tempo gasto no celular, no computador, jogos, etc. são alguns dos sintomas de quem está se tornando dependente do mundo virtual.


Quem sofre com a dependência afetiva da internet assume os padrões comportamentais e de pensamento do mundo virtual. Você passa a lidar com o mundo real da mesma forma como lida com a internet.

O que caracteriza o mundo virtual comum é a velocidade e a quantidade de informações, criadas não para lhe informar, profundamente, sobre um conteúdo, mas para fazer você "girar" com ele, gerando lucros aos criadores, através de anúncios, aquisição de produtos e outras formas de marketing. Despertar em você desejos, fantasias, de maneira que fique "preso", focado(a), esgotando todas as possibilidades de acesso possíveis em links, páginas, programas, aplicativos, etc., é o grande objetivo de 80% das páginas e redes sociais na internet.

Na vida real, o seu comportamento e maneira de pensar vão assumindo os mesmos padrões de uso na internet, prejudicando as relações humanas, ao torná-las cada vez mais descartáveis, variáveis e fantasiosas, uma vez que você começa a não diferenciar o que é realidade do que é fantasia. Esse é um fenômeno mundial já comprovado por diversos estudos em neuropsicologia.

Sem perceber, você gasta horas do seu dia na internet, porque encontra ali um meio de "escape" ou de "conforto" afetivo como alternativa dos problemas da vida real. Não é por acaso que pessoas com esse padrão de consumo da internet adoram aplicativos que "falam sobre você". Elas querem se conhecer. Querem que alguém diga para elas algo que na vida real está faltando, mesmo que isso venha de um programa, um aplicativo com mensagens prontas, ditas da mesma forma sempre para agradar, mas nunca confrontar ou criticar.

O uso da internet para obter aprovação pode revelar uma carência maior


O quanto você se expõe na internet? Você é daquelas pessoas que em cada curva é um flash? O quanto sua imagem oscila entre "caras e bocas" associada a frases de autoafirmação ou aplicativos que falam sobre você? Já parou para pensar que essas características podem esconder uma carência maior acerca de algo na sua vida real?

Para muitos, as características acima podem não revelar absolutamente nada além de um simples "gosto". Entretanto, a experiência baseada na observação e no relacionamento com pessoas, diz que na absoluta maioria dos casos, tais sintomas revelam alguém gritando por aprovação e visibilidade social. Os motivos para isso são vários, impossível definir padrões.

De modo geral, as pessoas encontram nas redes sociais, por exemplo, o "poder" de controlar o que elas não controlam na vida real. No seu perfil, você controla seus defeitos, escondendo do outro o que não lhe parece bom. Nele, você "desenha" como deseja aparecer e o resultado da suposta aprovação através de curtidas, comentários e compartilhamentos, dão a você o estímulo necessário para que se sinta valorizado(a) e continue buscando a mesma provação.

Daí surge a dita "reputação virtual". Pessoas que se preocupam tanto com as conquistas da rede que terminam esquecendo de como são na vida real. Isso, porque, elas já romperam com a realidade. Estão tão imersas no mundo das fantasias que desaprenderam a viver e a valorizar o que é mais importante, por exemplo, ao seu redor, na mesa de jantar, sala de estar ou varanda do apartamento.

Se desconecte e volte ao mundo real para descobrir a origem das suas faltas


Querer aprovação é natural do ser humano. Anormal é se tornar dependente da aprovação do outro, quando você deixa de reconhecer o próprio valor. Mas no geral, por sermos relacionais, a aprovação é um dado importante para a construção da nossa subjetividade. Todavia, quando o desejo por aprovação nos faz agir de forma doentia, estabelecendo relações dependentes, por exemplo, com a internet, uma carência maior pode existir.

Sonhos destruídos ou abandonados. Falta de convívio social. Desprezo familiar. Falta de sentido ou propósito na vida, no âmbito ideológico ou espiritual. Estresse e pressão das circunstâncias gerando busca por alívio nas fantasias. São muitas as possibilidades. Em todo caso, porém, ao reconhecer que você passa por isso é necessário se desconectar.

A única forma de poder lidar com os problemas reais da vida, incluindo suas faltas, é encarando-os de frente, sem auxílio de "muletas" emocionais como escape. Às vezes, para descobrir quem realmente somos, precisamos de um tempo em silêncio e em pessoas como você isso pode significar, por incrível que pareça, se desconectar completamente do mundo virtual.

Quanto tempo isso pode durar? Talvez meses, anos ou semanas. O tempo necessário para que você perceba a diferença de viver no "ciberespaço" e viver no mundo real.

Talvez, essa desconexão com o virtual te permita se reconectar com situações e pessoas a sua volta de um jeito novo, de modo que enxergue melhor o que precisa fazer para recuperar sua autoestima, sonhos, propósitos ou talvez relacionamentos amorosos, ao mesmo tempo que te faz perceber quais foram os erros que te fizeram chegar nesse ponto.

Agora, quem decide é você. O vai fazer, desconectar ou pular para outro link?

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima