Suíça: Mais de 60 milhões foram doados para destruição de Israel, denuncia jornal

 

Um artigo de fevereiro no jornal suíço Basler Zeitung, relatou que alguns dos quase US $ 60 milhões que seu governo enviou em apoio a projetos no Oriente Médio, também financiam iniciativas que exigem a destruição de Israel e o assassinato de judeus.

"A Suíça financia de formas diferentes, organizações em Israel e nos territórios palestinos que exigem a aniquilação de Israel e a morte de judeus", escreveu Dominik Feusi, editor sênior da Basler Zeitung .

De acordo com o relatório, desde 2013, o governo suíço canalizou cerca de US $ 700.000 para um escritório de direitos humanos em Ramallah, que funcionou como uma organização para evitar críticas de países ocidentais. O escritório é financiado pela Suíça, Dinamarca, Holanda e Suécia, e procura encobrir o trabalho antissemita de suas ONGs parceiras, segundo o relatório.

Outra organização apoiada pelo governo suíço, o Centro de Recursos Badil para Residência Palestina e Direitos dos Refugiados, defende um boicote contra o Estado judeu, disse o relatório, acrescentando que isso contradiz o endosso do país de uma solução de dois estados para o conflito em Israel.

A Suíça tem sido criticada durante muito tempo por sua recusa em reconhecer o Hezbollah e o Hamas como organizações terroristas. Em dezembro, Participou e ajudou a financiar uma conferência de dois dias em Genebra, que incluiu o Hamas.


Outras organizações mencionadas no relatório, como beneficiárias do financiamento suíço, incluem o Centro Palestino para os Direitos Humanos (PCHR), que rotineiramente pede a prisão de políticos israelenses e compara Israel com o antigo regime de apartheid na África do Sul, e Al-Haq, um Ramallah Baseado em um centro legal que promove a lei contra o Estado judeu.

O relatório desencadeou críticas acentuadas na segunda-feira pela ONG  Watchdog, com base em Jerusalém, que exigia reformas dos gastos públicos do governo suíço. "A supervisão parlamentar e a investigação do financiamento do governo suíço para essas ONGs anti-paz é muito importante", disse Olga Deutsch, diretora da mesa europeia da ONG Monitor.

"Outros países estão fazendo o mesmo e os deputados suíços podem dar o exemplo. É claro que os milhões de francos suíços que vão às ONGs, incluindo grupos de ódio por meio de processos secretos, não podem continuar", acrescentou.

Segundo a ONG Monitor, o fundador e diretor do PCHR, Raji Sourani, admitiu conexões com a Frente Popular para a Libertação da Palestina.

"É alarmante que US $ 2,38 milhões foram concedidos a uma organização palestina de direitos humanos com laços estreitos com uma organização terrorista, a PFLP", disse Deutsch. "Os governos suíços e outros europeus precisam fazer um trabalho melhor ao analisar quem eles apoiam e endossam. Uma cooperação mais direta com seus homólogos israelenses provavelmente seria o melhor primeiro passo nessa direção ".

Segundo o relatório, o consultor do governo suíço sobre a distribuição de fundos para organizações sem fins lucrativos palestinos é Mustafa Mari, um pesquisador de direitos humanos na Universidade de Birzeit, que apoia o boicote a Israel.

O governo suíço não foi transparente sobre se seus fluxos de financiamento, disse o artigo. Em resposta aos relatórios do ano passado sobre a suposta má conduta financeira envolvendo projetos do Oriente Médio, o órgão parlamentar suíço Bundesrat, rejeitou uma moção de MP de Christian Imark, em 2016, para proibir o dinheiro do contribuinte para as iniciativas que espalham "racismo e antissemitismo."

"A Suíça trabalha em conjunto com organizações que defendem os valores e princípios democráticos, e trabalha para os direitos humanos e o direito internacional humanitário ", disse Silvia Müller, porta-voz do Departamento Federal Suíço de Relações Exteriores.

"A Suíça escolhe os seus parceiros com base na sua competência e na sua contribuição para o objetivo desejado. Com o auxílio de mecanismos contratuais, é garantido que o dinheiro suíço serve apenas para atingir os objetivos acordados.", acrescentou.



COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima