CANIBALISMO: Apresentador da CNN come cérebro humano em ritual religioso

 Canibalismo de seita hindu

O apresentador da CNN, Reza Aslan, vem enfrentando algumas críticas pesadas depois que comeu parte de um cérebro humano, durante os trechos de uma filmagem sobre o ritual religioso de uma seita hindu, na Índia.

O episódio, que faz parte de uma série chamada crente com Reza Aslan, provocou o repúdio de muitos espectadores e despertou reação em muitos hindus americanos, depois que foi ao ar domingo, segundo informações do Daily Mail relatou.

Tulsi Gabbard (D-HI), o único hindu no Congresso Americano e um dos críticos mais severos do episódio, criticou a CNN por usar métodos "sensacionalistas" para promover o hinduísmo.


"Fico muito perturbado ao saber que a CNN está usando seu poder de influência para aumentar a incompreensão das pessoas e o medo sobre o hinduísmo", escreveu Gabbard no Twitter. "Aslan aparentemente procurou encontrar formas sensacionalistas e absurdas para retratar o hinduísmo".

"Aslan e a CNN não apenas deram visibilidade a uma seita de ascetas desviados para criar um visual chocante - como se estivesse numa área selvagem - mas repetiu falsos estereótipos sobre casta, karma e reencarnação que os hindus têm combatido incansavelmente", acrescentou.

Aslan, de 44 anos, se reuniu com a seita Aghori, quando foi convidado para comer tecido cerebral cozido durante um ritual em que também se espalhou cinzas de corpos humanos cremados em seu rosto.

Ele tomou uma bebida alcoólica dentro de um crânio humano antes de comer parte do cérebro.

O guru Aghori ficou com raiva de Aslan em certo momento, gritando para ele: "Eu vou cortar sua cabeça fora se você continuar falando muito."

O guru começou a comer as próprias fezes antes de jogá-las em Aslan, no que Aslan respondeu: "eu acho que isso pode ter sido um erro."

Os Aghoris são devotos do deus hindu Shiva, e acreditam que o corpo humano não pode ser contaminado. Mas hindus ortodoxos rejeitam suas crenças e práticas.

Hindus americanos têm criticado a CNN por destacar as práticas de um culto que tem menos de 100 membros, dizendo que eles não representam de forma dominante o hinduísmo.

"Com vários relatos de ataques movidos a ódio contra pessoas de origem indiana a partir de todo os EUA, o programa caracterizou o hinduísmo como canibal, o que é uma forma bizarra de olhar para a terceira maior religião do mundo", disse a o Comitê de Ação Política da Índia (USINPAC ) em um comunicado ao Hindustan Times.

Um industrial indiano-americano e conselheiro de Trump, Shalabh Kumar, também condenou o programa exibido pela CNN:

"CNN, Clinton News Network, não tem nenhum respeito para com os hindus. Todos os hindus em todo o mundo deveriam boicotar a CNN ", disse ele no Twitter.

Aslan parece não ter dado sinais de que irá pedir desculpas. Esclareceu em um post na página do seu Facebook, que os Aghoris são "uma seita hindu radical", e que "não é representativo do hinduísmo".

Comentário:

O Hinduísmo, de onde surgiu o espiritismo moderno, é uma religião de múltiplas crenças e segmentos, impossível de especificar o que faz ou não parte da doutrina hindu. Suas crenças se disseminaram em um dos países mais populosos do mundo, assumindo características diferentes de acordo com cada região.

Com milhares de deuses, incluindo animais como ratos, vacas e macacos, os vedas hindus são o conjunto de livros milenares considerados sagrados que mais unificam as crenças hindus, servindo de principal referência para os hindus que vivem fora do país, por exemplo, especialmente para os que não conhecem o hinduísmo na prática.

Ainda assim, diferente de outras religiões que possuem uma doutrina central rigorosamente estabelecida, o hinduísmo não possui esse rigor, o que torna, na prática, difícil especificar o que é uma seita ou simplesmente mais uma variação da mesma crença, por mais absurda que seja.


Fonte: Breitbart
Comentário: Opinião Crítica

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima