O que o medo da morte revela sobre a natureza humana?


História de pessoas que conseguiram superar o medo da morte

Desde que viu sua mãe morrer, o medo da morte de Richard Bridgman o deixou emocionalmente abalado. Foi durante o dia de Ação de Graças - quase 45 anos atrás - quando Bridgman estava dormindo no sofá durante a noite, na casa da sua mãe.

"No meio da noite, ela entrou na sala e disse: 'Richard, estou morrendo'", lembra ele, que tentou tranquilizar sua mãe para que ela ficasse bem. Mas sua mãe, que sofria de uma doença cardíaca, estava sofrendo um ataque cardíaco fulminante. "Ela olhou para mim e caiu. Eu não sabia o que fazer. Ela estava morta."

A morte assombrou muitos dos primeiros anos de Bridgman. Seu padrasto morreu quando Bridgman tinha 15 anos. Seu pai, um alcoólatra, morreu quando Bridgman tinha 17 anos. Bridgman tinha 26 anos quando sua mãe morreu diante de seus olhos. Agora, aos 72 anos e aposentado há muito tempo do negócio de cobrança de contas que possuía na área de Springfield, Illinois, ele passou a maior parte de seus anos tentando lidar com seu imenso medo da morte.

 
"A morte tornou-se uma obsessão", disse ele. "Não importa onde eu fui ou o que fiz, a morte estava sempre no fundo da minha mente."

A maioria das pessoas prefere não pensar em morte, muito menos planejar a vida para esse momento. Em um mundo de tecnologias estranhas, onde o tempo é comumente medido em 140 caracteres e alguns sons de 6 segundos, a vida parece ser dissecada em tantos pedaços que a discussão sobre o medo da morte nem parece se encaixar nessa equação.
 
"Todo mundo tem medo da morte, não importa que cultura, religião ou país que eles vêm", disse Kelvin Chin, autor de "Superar o Medo da Morte" e fundador da Fundação Superação do Medo da Morte, sem fins lucrativos. "O medo é simplesmente uma emoção causada pela antecipação da infelicidade."

Mas, espere! E se a morte não for algo realmente ruim? Para Bridgman, cujo medo da morte era esmagador, essa simples pergunta era um passo crítico para aprender a lidar emocionalmente com a morte. Ela foi questionada a ele por Chin, que foi achado por Bridgman através de uma pesquisa no Google. Após várias consultas telefônicas com Chin - combinadas com um simples processo de meditação que Chin ensina - ajudaram a manter os medos de Bridgman sob controle.

"Gastei tanto dinheiro com psiquiatras e psicoterapeutas - nenhum deles fez nada de bom", diz Bridgman. Mas Chin orientou Bridgman sobre como fazer meditação. "A meditação é melhor do que a medicina", disse ele.

Todos devem descobrir sua própria maneira de lidar com o medo da morte. Um especialista, que superou seu próprio medo através de anos de atendimento a pessoas próximas da morte, diz que a morte raramente é a coisa mais terrível entre as preocupações da maioria dessas pessoas.

"A morte é geralmente um processo tranquilo", disse Donna Authers, uma cuidadora profissional, palestrante motivacional e autora do livro Uma caminhada sagrada: como dissipar o medo da morte e cuidar dos que estão morrendo. "Muito poucas pessoas morrem gritando, elas apenas dormem", diz ela.

Donna Authers conseguiu superar o medo da morte, quando passou a cuidar da sua avó, doente em fase terminal
 
Mas Authers levou anos para aprender a lição de que a morte não precisa ser assustadora. Quando criança, o medo da morte lhe aterrorizou. Quando tinha dois anos, seu pai foi morto na Segunda Guerra Mundial. Sua mãe, que se casou novamente, morreu no quinto aniversário de Authers. "Em vez de uma festa de aniversário, eu acordei para o pior dia da minha vida", disse ela. Seu avô cometeu suicídio quando Authers tinha 15 anos. Foi a avó de Authers - enquanto morria de câncer - que ensinou Authers a lição mais importante sobre aceitar a inevitabilidade da morte.  

Authers trouxe sua avó para casa para cuidar dela durante seus últimos dias. Mas sua avó podia sentir o medo terrível de sua neta. Foi quando a avó dela a pegou pela mão e, sem medo, lembrou a Authers: "A morte é parte da vida. Você também estará onde estou um dia, e você não pode enfrentar a morte com medo", disse ela. Isso mudou tudo.  Vendo sua avó bravamente enfrentar a morte, isso fez com que seus medos se dissolvessem. "Eu não estava mais com medo da morte", disse Authers.

Authers finalmente deixou seu trabalho como uma executiva de marketing da IBM para se tornar uma cuidadora. Através dos anos, ela descobriu que a fé é a qualidade mais importante entre aqueles que enfrentam a morte sem medo. "As pessoas que têm fé em algo não sofrem como aqueles que não têm esperança", disse Authers.

Cada vez mais, porém, Chin descobriu que os jovens da atualidade, conhecidos como a "Geração Y" ou geração do milênio - mais do que qualquer outro grupo demográfico - temem a morte. "É a desvantagem das mídias sociais", disse Chin. "O bombardeio e a velocidade da comunicação leva a uma sobrecarga que pode desencadear o medo da morte".
 
Talvez até mesmo o mundo da política possa desempenhar um papel, sugere Sheldon Solomon, professor de psicologia na Skidmore College e autor de "O verme no núcleo: sobre o papel da morte na vida" (tradução livre).

Em tempos de revolta política - especialmente quando as pessoas são lembradas de sua mortalidade - o medo da morte aumenta, mesmo que eles tendem a ser atraídos por figuras políticas que lhes prometem mais segurança, disse Solomon, que realizou inúmeras experiências sobre esta questão; "Quando as pessoas são lembradas da sua própria mortalidade, em um esforço para reforçar a crença em sua própria visão de mundo, se tornam mais hostis a qualquer pessoa que seja diferente".

Mesmo assim, Solomon disse que talvez nada alivie o medo de morrer mais do que o amor. Uma avó em estado terminal que ele conhecia estava perturbada com a perspectiva da morte. Nenhum médico e nenhum remédio poderia ajudá-la. Então, recebeu um rápido telefonema da sua neta, implorando para descobrir qual era a sua receita de cupcake. "Esse telefonema fez mais diferença em cinco minutos do que qualquer outra coisa poderia ter feito há muito tempo", disse Solomon. Isso, porque, com a ligação a neta "lembrou à avó que viveria nas lembranças das pessoas que ela amava. Isso era tudo o que ela precisava saber."

Fonte: Seeker

Para ler o comentário sobre esse tema, clique no texto: Por Que Temos Medo da Morte? Uma Explicação Curiosa

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima