Ex-gerente da Planned Parenthood afirma que mulheres eram tratadas como "gados"


O objetivo da Planned era lucrar com a realização indiscriminada de abortos

Ex-gestores de clínicas da Planned Parenthood dizem que a organização está menos interessada em fornecer cuidados de saúde de qualidade para as mulheres do que na realização de abortos quanto possível. Em um vídeo lançado pela Live Action na semana passada, a ex-gerente de uma das clínica, Ramona Trevino, compara a relação entre a Planned Parenthood e as mulheres entre fazendeiro e gado.
 


"Para mim foi uma luta, porque eu sentia que a Planned Parenthood tratava as mulheres como gado", disse Trevino no vídeo de três minutos.
 
Esse sentimento é ecoado também pela ex-gerente de clínica Sue Thayer, que se lembra de receber instruções de Planned Parenthood para levar as pacientes para dentro e para fora da clínica o mais rápido possível.
 
"Eles continuaram empurrando cada vez mais e mais, para ver mais e mais clientes", disse Thayer no vídeo. "Eu me lembro quando foi para quatro horas, todo mundo estava, tipo; 'como vamos trabalhar por quatro horas?' E depois aumentaram para cinco horas. E foi assim, enquanto o clínico estava lá, era esse tempo louco e caótico. As mulheres só foram realmente conduzidas para lá", disse ela.

O último vídeo lançado pela Live Action vem como parte da sua série "Abortion Corporation". Vídeos anteriores minaram as afirmações de que a Planned Parenthood oferece cuidados de saúde pré-natais e que apenas uma pequena porcentagem de seus serviços são abortos.
 
(...) A Câmara votou na semana passada para derrubar a exigência do ex-presidente Obama para que os Estados financiem a Planned Parenthood.
 
Durante seu tempo como gerente de clínica, Trevino diz que foi instruída a gastar menos tempo ensinando novas pacientes sobre como usar a contracepção, o que levaria a mais abortos no futuro.
 
"Parece pouco ético não passar esse tempo com seu paciente e fornecer o cuidado adequado e explicação para algo tão grave como o controle de natalidade", diz ela. "Porque sabemos que o controle de natalidade, especialmente contraceptivos orais, se eles não são tomados corretamente, então a eficácia desses contraceptivos orais é reduzida. E se isso acontecer, naturalmente, uma menina pode engravidar, e a próxima opção para ela é o aborto. "
 
Depois de ver em primeira mão como as clínicas da Planned Parenthood operam, Thayer disse que jamais enviaria suas filhas para lá.
 
"Definitivamente, não é um lugar que eu gostaria de ver minhas filhas ir", diz ela. "Eu não gostaria que eles tivessem esse tipo de cuidado. O lema da Planned Parenthood é 'Cuide. Não importa o quê.' Eu não acho que isso é cuidado. Isso não é cuidados de saúde."

Fonte: Washington Times 

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima