O "Escárnio" de Dilma contra o Judiciário, com Lula Ministro - O Verdadeiro Golpe POLÍTICO!


Dilma e sua base aliada, ao convidar o ex Presidente Lula para assumir um ministério no governo, não só escarnece do poder judiciário brasileiro, como dos quase 04 milhões de pessoas que foram às ruas nesse domingo dia 13 de março, representando, certamente, a maioria da população que na condição de corrupção sistematizada, se vê cercada de bandidos. A acusação de golpe do esquerdismo delirante, contra quem pede democraticamente a saída desse governo e a punição de corruptos, na verdade, está sendo praticada exatamente por esse governo, quando, utilizando de manobras políticas, tenta não apenas deslegitimar o poder judiciário, mas principalmente, escapar do rigor da "lei comum", na figura do Juiz Sérgio Moro, querendo dar a Lula o status de "foro privilegiado"


OBS. Se você é um esquerdista delirante, daquele incapaz de possuir senso crítico suficiente para condenar o "banditismo" da própria turma, esse texto não surtirá efeito algum no seu entendimento. As respostas prontas, pré-configuradas na sua mente por essa doutrina chamada comunismo, certamente lhe fará enxergar isso como qualquer outra fantasia sua, das quais os rótulos não faltam. Você não poderá enxergar o óbvio, por mais óbvio que seja, e o sentimento de "revolução", "insurreição" e "populismo", como quem convulsiona supostamente pelos "pobres" e "excluídos", as ditas "minorias", te fará sentir-se um defensor e porta-voz desses, porém um pouco mais "inteligente", certo? O bastante para tomar posse e não abrir mão dessa condição alienante, a qual chamo de "Síndrome do Pequeno Poder". Sendo assim, não perca tempo, porque essa matéria não é para você, "ser de inteligência suprema" (...).  Tem um "X" bem ali do lado direito da aba, basta clicar!
Aos demais, convido a uma reflexão isenta de paixonite partidária, mas penas de lógica e lucidez ética, onde de forma clara e objetiva faço as seguintes perguntas: 

01 - Existe alguma outra forma de ser tão medíocre e desonesto, do que na condição de Presidente da República, convidar e afirmar em rede nacional que é um "orgulho" ter com chefe de governo, alguém investigado e denunciado pela Polícia Federal, Ministério Público, por diversas acusações, dentre elas ESTELIONATO e LAVAGEM DE DINHEIRO?

02 - Qual é a mensagem que a Presidente Dilma transmite a Nação, quando na condição de chefe de Estado, cargo que deve ter por primazia a VALORIZAÇÃO das instituições públicas, dentre elas o judiciário, assim como a valorização do sentimento popular, mas que contrariando todas as indicativas, decide nomear como ministro alguém denunciado por crimes de corrupção?

03 - Qual é a credibilidade que um governo passa aos mercados, investidores, etc. que tem como fundamento a estabilidade política, ao nomear como Ministro de Governo uma figura que está no centro das investigações do maior escândalo de corrupção na história do Brasil?

Listo abaixo as respostas das perguntas acima, em ordem de prioridade para o governo atual.

Para Dilma e seus cúmplices:

a) DANE-SE a população, pois sua opinião, juízo e méritos contra o governo é o que menos importa, desde que exista uma massa de pessoas dependentes, aliciadas psicológica e economicamente que deem garantia de apoio a esse governo;

b) DANE-SE o judiciário. Nenhuma ação judicial tem valor quando contraria os interesses de quem manipula a opinião das "massas" e está disposto a tudo para manutenção do seu plano de poder;

c) DANE-SE a legitimidade das instituições democráticas, interesses de mercado e condição econômica do pais, porque numa situação de absoluta crise de governo, com eminência de perder o comando do país, o que importa não é a Ética e a lucidez das decisões em prol de uma Nação, mas sim a SOBREVIVÊNCIA, custe o que custar, "em nome da causa".

Esse é o governo Dilma! Um conjunto de decisões "burras", que tem como finalidade manter um plano de poder a todo custo, ignorando os sentimentos de um país inteiro e a legitimidade das próprias instituições, como a Polícia Federal. Para Dilma e seus cúmplices, é mais fácil criar fantasias de perseguição política e conspiração, do que dar crédito e ser, no mínimo, imparcial nos indicativos do judiciário, preferindo aguardar o desfecho das investigações para cogitar qualquer nomeação de acusados. Ao invés disso, para Dilma, que pouco tempo atrás tinha como um dos seus principais argumentos contra a corrupção sistematizada no seu governo justamente a autonomia do judiciário em poder investigar, acusar e condenar, agora a justiça não tem mérito, é "ilegal" e "exagerada", porque tem como alvo a "pedra angular" do seu partido e da esquerda na América Latina, Luiz Inácio Lula da Silva.

Quais são as possíveis implicações para a nomeação de Lula como Ministro do Governo?

Diferente do que os governistas pensam, a nomeação de Lula a essa altura poderá anular seu foro privilegiado, tendo em vista que isso pode caracterizar "desvio de função" no ato da nomeação, algo previsto na Lei de Ação Popular, 4.717, de 1965, quando afirma que É NULO o ato administrativo praticado com desvio de finalidade. No artigo 2º, parágrafo único, a alínea “e” explicita que:
 
e) o desvio de finalidade se verifica quando o agente pratica o ato visando a fim diverso daquele previsto, explícita ou implicitamente, na regra de competência.

No caso de Lula, está evidente mediante a quantidade de investigações e denúncias contra sua pessoa, em andamento muito antes de qualquer indicação a ministério, o fato de que sua nomeação está, se não explicitamente, no mínimo, implicitamente vinculada ao interesse de um "fim diverso daquele previsto", que seria o de articulação política. A própria negação prévia de Lula expressa isso, de modo a deixar claro que a finalidade meramente política não é a intenção do governo, mas sim de alterar e/ou dificultar os rumos das investigações contra sua pessoa. Portanto, juridicamente já existe base para anulação do foro privilegiado de Lula. E politicamente?

É fato que no âmbito político o PT dá outro tiro no pé! Não apenas a população já entendeu a tentativa de golpe, manobrando o curso das investigações contra Lula, mas também a oposição e até mesmo alguns aliados do governo que ainda prezam pelo bom senso. Isso poderá acirrar ainda mais o clima de estagnação no congresso, inviabilizando votações e aprofundando ainda mais a crise econômica, sem falar da imagem negativa do Brasil perante os mercados, piorada com a nomeação de um Lula sob investigação e rejeição da população.

Os petistas ainda acreditam na antiga imagem de Lula e seu poder de articulação, mas não é o caso. Embora muitos políticos da oposição tenham "rabo preso" com investigações de corrupção, a exemplo de Eduardo Cunha e Aécio Neves, o quadro de sujeito corrupto de Lula já está pendurado no rol da fama na mentalidade do brasileiro, lado ao de Collor, por exemplo. A oposição certamente fará questão de rejeitar essa manobra política do governo, balizada especialmente pela vontade popular, que já descartou o petismo como opção política. Qualquer coisa diferente disso é um tiro no escuro que nessa conjuntura dificilmente algum partido irá escolher. Na dúvida, a vontade do povo é a melhor opção!

O PT e aliados envolvidos nos esquemas de corrupção sabem que a condenação de Lula trará consequências muito piores do que a mera perca de poder político. Será um desfecho que possibilitará o esclarecimento de um monstruoso esquema de corrupção envolvendo muita gente. Essa é a razão de Lula ainda acreditar no seu poder de articulação política, porque não se trata de política, mas sim de "negócios"! Tentar salvar Lula é um jogo de interesses que procura livrar também quem ainda não foi investigado, denunciado e condenado, podendo haver muito mais "jararacas" nessa moita do que podemos imaginar.

Por fim, tenho a esperança de que possamos ter dias melhores e quero acreditar nisso. No entanto, é fundamental que a população continue manifestando seu descontentamento, exercendo sua cidadania, emitindo opiniões, sejam quais forem. O que não podemos admitir, em suma e consenso, é que um Presidente da República despreze a legitimidade das investigações judiciais do poder público, ao ponto de ter como "orgulho" de ministério um sujeito investigado e acusado de corrupção. Pior do que fazer uma péssima administração, é destratar a inteligência e bom sendo de uma Nação inteira, desprezando sua democracia e o funcionalismo público. Mais do que uma declaração de falência governamental, esta é uma declaração explícita de burrice!

Abraço e até a próxima...

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima