Pau de Arara - Por que Ônibus não tem Cinto de Segurança?


Você já deve ter ouvido alguém falar em "Pau de Arara", termo muito comum no Nordeste. Esse era o meio de locomoção de muitas comunidades nas zonas rurais. Consiste basicamente num caminhão, caminhonete adaptado para o transporte de pessoas na caçamba. Veja uma foto abaixo:


Esse meio de transporte público é proibido no Brasil devido a sua precariedade e especialmente falta de segurança, apesar de ainda ser visto em regiões como Juazeiro do Norte  e Bom Jesus da Lapa, na Bahia. Mas o que tem a ver esses veículos irregulares com os ônibus modernos que circulam nas grandes cidades? Antes de fazer uma breve comparação, peço que olhe também a foto abaixo:


Alguma semelhança com as imagens acima desta? A principal alegação contra os paus de arara nordestinos é a falta de segurança. Dizem as autoridades que a super lotação, falta de acomodação adequada e condições precárias do Pau de Arara colocam em risco a vida do passageiro. Ora, se essa é a preocupação, então por qual motivo não dispomos de cinto de segurança nos ônibus? Por que "diabos" não temos acomodação adequada, sendo preciso viajar em pé, agarrados a barras de ferro? Por qual razão não vemos aplicada a mesma lógica de legalidade dos antigos Paus de Arara aos ônibus modernos?

"Elementar meu caro Watson", já imaginou quantos ônibus seriam necessários para que todos os passageiros pudessem viajar sentados? Qual empresa estará disposta a investir no conforto das "massas" e o Governo em adequar sua estrutura viária para comportar o volume de tráfego de quem paga com dificuldade pouco menos de R$5,00 por dia? Para quê obrigar o uso de cinto de segurança, uma vez que mais da metade não pode se acomodar adequadamente? Ora, essa é realidade; o velho Pau de Arara ganhou cara nova, agora têm "marca" e patrocínio. Ao invés de madeira, é ferro. No lugar de tábuas para sentar, plástico revestido com uma fina camada de espuma. Os veículos ganharam mais força e beleza, agora são pintados, possuem janelas de vidro e pneus reforçados, precisam superar a impressão de abandono e perigo iminente dos antigos Paus de Arara do passado para que haja "legalidade", certo? Mas a "evolução" chegou apenas para os donos dos paus de araras modernos e quem lucra às suas custas. Evolução financeira, apenas, porque o passageiro continua viajando em pé, espremido como em uma lata de sardinha, entregue apenas a segurança das suas próprias mãos e o bom senso do motorista. Privilégio de quem acha um espaço para se escorar e descansar as pernas.

"Lucro das empresas de ônibus de São Paulo cresce 248% em um ano"

O Pau de Arara também se chama ônibus. A diferença é que fomos submetidos à uma cultura onde os conceitos de legalidade foram adequados para atender interesses maiores. A mercantilização do transporte público faz proibir e sancionar àquilo que é o desejo dos grandes empresários e governos sanguessugas. Cria-se a impressão de "legal" para o que significa lucro, não importando se a vida do povo gerador desse lucro continua sofrendo os mesmos (ou semelhantes) riscos de antigamente. É o efeito disso que faz muitos não perceberem que a multa aplicada ao motorista dirigindo um carro com 05 pessoas sem o cinto de segurança, não vale para o motorista de ônibus que leva 100 passageiros, ambos trafegando nas mesmas vias e sob as mesmas condições. Qual é a lógica disso? P$$ense!

Por fim, apresentei aqui uma relação entre ônibus moderno e paus de arara, ambos com a finalidade de transportar o trabalhador simples, aqueles que buscam no dia-a-dia conquistar seu espaço ao sol. Sendo assim, não poderia terminar esse texto sem lhe recomendar uma música emocionante de 1952, que retrata muito bem essa realidade, chamada "Pau de Arara", na voz do mestre Rei do Baião Luiz Gonzaga. Escute no vídeo abaixo:




Abraço e até a próxima...

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima