Mc Anitta - Pornografia ou Funk? O que a TV Ainda não Mostra

 

Para quem gosta da Mc Anitta já deve estar acostumado com a erotização nas músicas Funk. Se esse for o seu caso, talvez esse texto não lhe sirva, melhor é não perder tempo e aproveitar para ouvir Anitta! Mas para os que tem interesse de pensar e repensar a realidade que influencia constantemente suas vidas, peço que leia com atenção.

Antes de pontuar algumas questões sobre a erotização musical e o "fenômeno" Mc Anitta, Bonde das Maravilhas e outros, peço que assista o trecho de um show onde Anitta apresenta parte da sua performance... sexual, e outro das adolescentes "Maravilhas". Volto em seguida:






Voltei,

Antigamente (poucos anos atrás) fazíamos diferença entre música de "Cabaré" e música convencional, popular, etc. Essas diferenças eram tão evidentes que era fácil identificar uma música de prostíbulo, por exemplo, apenas pela melodia, forma de cantar e, claro, pelas letras. Quando uma família reunida ou pais com seus filhos por algum motivo ouviam essas músicas, tinham o cuidado de não deixar com que esses filhos continuassem ouvindo letras que insinuavam relações sexuais, malícias, práticas de duplo sentido e etc
Crianças dançando Funk na Sala de Aula. Alguma Coincidência?
Atualmente a coisa é bem diferente. O que antes eram músicas restritas a ambientes dedicados à venda de sexo, hoje fazem parte da família cotidianamente. 

Os filhos não apenas ouvem e gostam das músicas e "artistas" dos cabarés modernos, como tem dos próprios pais o incentivo de "liberdade" necessários para que tenham esses "artistas" como exemplos de vida.

Na prática, a função dos velhos prostíbulos continua a mesma, a única diferença está no conceito por trás da "diversão" e a "carinha" dos novos personagens. Tenho até "pena" dos antigos "cafetões de esquina", tadinho deles... Pois não é mais preciso ir a uma casa da "mama" para achar sexo fácil, basta ir a um dos shows da Anitta ou tantos outros "ídolos" da música, dita "popular". O melhor é que você além de poder aprender novas posições sexuais, tais como as mostradas na imagem abaixo onde crianças demonstram terem aprendido muito bem, provavelmente não precisará pagar pelo sexo, pois certamente ali haverá muitos que desejarão colocar em prática os ensinamentos da "artista", certo?

Contra o Funk da Anitta?

Crianças "Dançando", certo? - MODELAGEM
Não sou contra o Funk ou qualquer outro estilo musical, pois entendo que o gosto musical não determina o caráter de uma pessoa, sendo também algo particular. Também não sou contra a pessoa da Anitta, mas sim a qualidade do seu trabalho. Minha crítica é contra o fato da erotização musical ter se tornado comum ao ponto de não haver qualquer tipo de censura, mas pelo contrário, estar sendo aclamada por uma maioria de pessoas, motivadas, também, pela mídia que impulsiona tal cultura apenas por interesses comerciais. Tenha como exemplo o "Bonde das Maravilhas", Anitta e tantos outros que dividem espaço nos horários nobres da TV em programas ditos "familiares". Eles chamam isso de boa cultura e os resultados estão nas imagens acima. Isso favorece a banalização das relações humanas, de maneira que já vemos o reflexo na instabilidade emocional, afetiva/psicológica de uma geração que vai se formando praticamente sem limites e/ou preocupação com a importância de princípios éticos tão essenciais para uma vida em sociedade.

A Mídia faz o Ídolo?

Desde que em harmonia com as ideologias de quem "domina" a mídia, SIM! Liberalismo, fama, dinheiro e sexo, são ideais de uma classe que atua por trás do "sistema". Todo personagem que representa esses ideais serão muito bem aceitos por eles. Mas não de qualquer maneira, é preciso convencer! Uma carinha bonita, história comovente e disposição para agradar são requisitos imprescindíveis para cair "nas graças" de quem faz o ídolo. Sujeite-se a isso e ganharás o mundo! 

Grande parte dos "artistas" globais não o são, por mérito, mas por privilégios... de agradar a quem precisa ser agradado.  De ser como (e quando) eles desejam, para que suas ideias sejam muito bem representadas e o modelo possa, em fim, ser aceito como IDEAL! Qualquer coisa que contrarie isso será motivo de desprezo, isolamento e se preciso difamação, para que nada possa "manchar" a imagem do MODELO IDEAL. Desse modo o bom pode se tornar ruim, enquanto o ruim pode ser bom! Quem dentre os "pobres mortais" terá senso crítico para julgar tal manipulação de ideias? Se as "massas" já tem dificuldade em não serem modeladas, o que dirá quando os poucos instrumentos de conscientização (críticos, setores acadêmicos, religiosos, mídia independente, liberdades individuais) forem limitados ou desacreditados? 

Não é Moralismo!

Alguns podem ser levados a entender que escrevo contra o comportamento sexual humano, a diversão e gostos pessoais. Lamento os que podem pensar isso, o que me sugere apenas que já devem ter muito de "anitta" na cabeça, afetando a compreensão correta do texto.

Quando as escolhas, sejam elas quais forem, se tornam objeto particular de cada cidadão, tudo bem, pois é na particularidade de nossas decisões que colocamos em prática o que entendemos ser o melhor para nós, certo? Mas quando, por outro lado, as muitas possibilidades de escolhas deixam de existir, passando a resumir em alguns poucos elementos a opção de vida dos cidadãos, TEMOS UM GRANDE PROBLEMA! Pois mostra que muito provavelmente alguém ou algo está direcionando essas opções, na intenção de fazer com que a população goste daquilo que for do seu interesse. É muito "simples", a grande parte das pessoas são o que lhes oferecem. Por exemplo: Se damos Suco de Laranja serão saudáveis, mas se dermos Coca Cola, serão com o tempo pessoas doentes. O fato é: dentre essas bebidas, quais delas produzem em maior escala e vendem mais fácil? __Coca Cola! Logo, os donos da Coca Cola, apesar de saberem que a imagem representada pelo seu produto é FALSA, farão de tudo para induzir a população a recebê-lo com entusiasmo.

Trazendo o conceito desse exemplo para a cultura, por qual motivo vemos no Brasil músicas como Ahhh Le Lek, Lek, Lek, Eguinha Po-co-tó, Brega da Rã, Camaro Amarelo e milhares de outras pobrezas musicais fazendo enorme sucesso, enquanto verdadeiras obras artísticas nem são conhecidas? Pelo mesmo motivo. Portanto, não se trata de sexo, a erotização (comportamento erótico) faz parte da sensualidade humana, quando no momento e ambientes adequados. Se trata de MODELAGEM CULTURAL. Não quero que meus filhos (futuros) tenham como uma das poucas opções (senão a única) os shows de Anitta e outros que não considero bons exemplos para eles, pois sei que se isso acontecer eles serão o reflexo dessa imagem! 

Por fim, embora seja praticamente impossível vetar os olhos e ouvidos desses "exemplos de artistas", uma vez que a normatização/normalização de suas condutas faz com que estejam presentes em todas as mídias interessadas em lucrar, é possível, sim, que os pais eduquem seus filhos para saberem escolher quais seus artistas preferidos. Para isso é necessário transmitir princípios e valores, sendo você mesmo (pai e mãe) as primeiras referências para eles. Sua autoridade em educar começa pelas atitudes que assume, por isso pense duas vezes antes de ligar a TV, assistir um vídeo ou comprar um CD. A imposição de limites, diálogos e acompanhamento no dia a dia dos seus filhos também são necessários. De outro modo a TV, as Rádios e a Internet serão as principais fontes de "valores" dos seus filhos, cuja falta de discernimento, possivelmente fará com que encontrem em personagens como Anitta o modelo ideal!

Se gostou do texto e concorda, compartilhe em suas redes sociais e contribua para a conscientização de outras pessoas!

Abraço e até a próxima...

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima
Anônimo
23 de agosto de 2014 16:48

Concordo com vc. Aproveita escreve um texto criticando alguma emissora de tv, que tambem nao fica atras

Resposta
avatar