HOMOSSEXUALIDADE ANIMAL - Por que eles querem que você acredite?


É interessante o fato de atribuírem conceitos a animais, como se eles próprios pudessem tomar atitudes baseadas em ideias ou algum tipo de ideologia criada por eles mesmos. É exatamente isso que fazem ao afirmar que certas espécies, por se relacionarem com outras do mesmo sexo, são (ou se tornam) homossexuais.

            Vamos colocar as ideias no seu devido lugar?

            Quero começar a pensar com o seguinte questionamento:

Se um cachorro regurgita sua comida e logo em seguida come seu vômito, ou a fêmea mata e devora seus filhotes, devo tomar isso como referência de comportamento ao ponto de conceber a idéia de que posso praticá-lo, uma vez que também seria animal?

Acha um absurdo um questionamento como esse, certo? Ora, mas por que não tomamos estes e outros comportamentos “exóticos” como exemplos ao invés de apenas o suposto comportamento homossexual? Porque não é conveniente ou, natural, para nós humanos, e você consegue compreender isso, não é mesmo? Mas como chegou a esta conclusão, pensando? Avaliando e construindo uma opinião baseada num saber crítico, certo? 

Acompanhe com muita atenção:

Alguns dizem que é exatamente pelo fato do animal não raciocinar criticamente e apresentar o comportamento homossexual, que isto deve ser considerado natural e exemplo para nós, humanos, uma vez que partira de um ser vivo "semelhante", mas que não julga suas atitudes por uma ótica social culturalmente “forjada”, influenciada, manipulada (já que para esses ideólogos a cultura é a grande e exclusiva determinante da moralidade social), mas que é fruto da sua própria natureza, o que comprovaria então que a tal "homossexualidade animal" seria um comportamento espontâneo. A verdade, no entanto, é que este argumento é a prova fatal de uma grande contradição, por exemplo:

Pegando os exemplos que dei acima sobre o comportamento animal que não tomamos como exemplo de naturalidade simplesmente porque julgamos inconvenientes, isso nos mostra que:

...como humanos, não julgamos o comportamento pela simples existência dele, mas pela capacidade que temos em refletir se tal comportamento é, ou não, conveniente e proveitoso para nossa espécie.

 O que isso diz respeito aos animais? Que se um animal não pode emitir tal juízo, nunca poderá ter seu comportamento avaliado pela Ética e moral humana, pois o comportamento animal é exclusivamente reflexo de:

 a) fatores fisiológicos,
 b) fatores ambientais condicionantes e;
 c) fatores genéticos,

Ou seja; nunca de fatores morais.

Ainda não está claro? Vamos lá! O que você vê num cachorro macho, por exemplo, que monta em outro cachorro macho, não é fruto de uma ideia elaborada acerca de sexualidade, onde ele pode optar em realizar ou não aquela atitude, pois compreendera que seria bom, prazeroso, ruim ou agradável, etc, mas sim, a consequência de experiências instintivas, CONDICIONADAS (não elaboradas racionalmente), que lhe fizeram “perceber/reproduzir” aquela atitude como sendo necessária para firmar uma determinada “impressão” sobre o outro macho, e assim marcar seu domínio, bem como firmar relações de sobrevivência, poder, cooperativismo e adaptação, como é o caso de pelo menos outras 1.000,00 espécies.

Resultado, o comportamento que alguns veem como sexual é, na verdade, um comportamento exclusivamente SOCIAL, que se utiliza de relações (representações) sexuais (ou aparentemente...) como um veículo de comunicação e adaptação a determinadas condições do ambiente, entre as espécies (sem falar das confusões de sentidos). Ou seja, para deixar ainda mais claro: 

...o animal que apresenta comportamento homossexual está, na verdade, exercendo um papel social, uma encenação -- confusão de sentidos -- ou função necessária a um tipo de adaptação que visa atender os seus interesses e/ou do seu grupo. 

Sendo assim, o grande ponto da questão é: se eu defino este comportamento como homossexual (afetivo principalmente), eu é que, como ser moral, estou atribuindo ao animal um conceito e consequentemente um julgamento que não lhe pertence.  Faz sentido então atribuir sexualidade a um animal? Não! Ora, compreenda, a sexualidade é um CONCEITO moral que se aplica apenas aos seres humanos. Nós temos sexualidade porque a COMPREENDEMOS como tal, dando a ela configuração e SENTIDO. E não apenas isso, podemos inferir mudanças nos padrões comportamentais como consequência de nossos julgamentos. Ainda assim, isso não significa que estamos certos em tudo, justamente porque:

...se podemos mudar o padrão do nosso comportamento, estamos então sujeitos a errar em nossas próprias escolhas.

Quando atribuo um conceito de sexualidade ao animal, seja ele conceito heterossexual ou homossexual, estou na verdade aplicando, impondo, transferindo minhas impressões morais a uma criatura irracional que é dotada determinantemente de padrões instintivos. Então mais uma vez eu pergunto: podemos julgá-los moralmente? Claro que não, pois seus comportamentos se explicam e se resolvem instintivamente. Consequentemente, podemos dizer que certo animal é homossexual ou heterossexual? Também não, uma vez que a sexualidade é uma IDEIA ELABORADA acerca de si mesmo, animais não podem agir em acordo com este discernimento. Seus comportamentos são, portanto, o reflexo de padrões instintivos/genéticos, ambientais e circunstanciais, apenas, e imunes ao crivo da Ética humana!

Deu para entender?

Então como podemos definir as relações sexuais entre os animais, incluindo as que aparentam homossexualismo, já que não podemos atribuir AOS ANIMAIS uma definição conceitual acerca de sexualidade? 

Ora, como relações sexuais, naturalmente, porém, de caráter estritamente instintivos, "visando" uma relação de convívio, adaptação e reprodução entre as espécies onde o indivíduo é beneficiado socialmente, considerando-se para isso a possibilidade de simulações em face as circunstâncias/estímulos do meio, podendo gerar também a partir disso não só um comportamento diferente do esperado, como uma confusão de sentidos.

Mas por que o esforço para atribuir o conceito de homossexualidade aos animais?

Simples! Ao pensar que nós humanos também somos (somos?) animais, essa “lógica” diria que é natural, como animais, ter o mesmo comportamento, pois ele não seria fruto de uma condição comportamental humana (como diz esta pesquisa, AQUI), mas sim de uma condição biológica. Seria uma maneira de distorcer e delegar a última importância a moralidade humana, reduzindo nossa capacidade de julgamento crítico para fazer prevalecer os “instintos”. Tal pensamento é decorrente, dentre outras coisas, das teorias de que nós humanos somos movidos por instintos, sendo então natural obedecer a estes “instintos”.

Este argumento é um perigo, porque abre precedentes para que tudo associado ao comportamento animal possa ser tomado como “padrão instintivo” possível de ser absorvido como exemplo de “naturalidade” para nós, humanos. Ou seja, todos os outros comportamentos típicos da natureza animal seriam praticados com normalidade, pois estariam sendo aceitos também como natureza humana. Isso em nosso contexto inclui o incesto, canibalismo, bestialismo/zoofilia, agorafilia, pedofilia, orgias e até o estupro! Ora, não são estes comportamentos típicos da natureza animal? Se aceitarmos o argumento de que a homossexualidade é “natural” para nós humanos apenas por estar (está?) presente no comportamento animal, todos estes outros deverão fazer parte de nossa natureza, caso contrário esse argumento será racionalmente insustentável. Isso significa que mesmo que o homossexualismo tivesse "sentido" entre os animais, ainda assim, seria contraditório servir de "alinhamento" com os humanos.

Finalmente, ao compreender que NÃO SOMOS determinados por instintos, fica fácil perceber a diferença do que significa padrão comportamental humano e animal. Natureza animal e natureza humana, no que se refere ao modo de avaliar a vida e a condição em que cada uma se apresenta. Neste campo das “naturezas”, o diálogo se estende e vai muito além de um pequeno e resumido texto como este. Penso que a única forma de preencher os muitos “vazios” deixados será respondendo aos comentários dos leitores, por isso, se você tem uma opinião crítica, dúvida, faça seu comentário logo abaixo e será um prazer pensar e aprender junto com você.

Abraço e até a próxima...

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima
Anônimo
14 de maio de 2012 23:16

Entendi.. basicamente é o seguinte:
Diante do fato de que a homossexualidade animal tem o potencial de derrubar o construto segundo o qual a homossexualidade é contrária à natureza, para evitar que seu mundo desabasse, o dono deste blog se viu obrigado a criar o seguinte malabarismo teórico: sexo entre animais não é sexo. Quando uma macaca fêmea introduz os dedos e chupa a vagina da outra, levando-a ao êxtase, isto NÃO é sexo, mas apenas uma relação social, pois a palavra sexo só se aplica a humanos. Dois leões machos em coito anal, igualmente não configura sexo. Não é brilhante? Merece o Nobel da retórica.

Resposta
avatar
15 de maio de 2012 09:17

Olá anônimo, blz?

Obrigado pelo seu comentário, é um prazer lhe responder.

Você diz que fiz um "malabarismo teórico", bom, para mim malabarismo teórico é querer impor em --seu-- próprio entendimento que as relações homossexuais estão em plena conformidade com a natureza, quando sua própria natureza apresenta toda uma formação --contrária-- a essa prática. Exemplo:

No dia em que o ânus servir de õrgão sexual, os homens defecarão por onde, pela boca? Acho que sim, caso contrário os cremes anais continuarão fazendo o papel daquilo que o organismo não produz... naturalmente, certo?

No dia em que a vagina não for detalhadamente "projetada" para receber um pênis, assim como o ânus para evacuar "merda" e a uretra para a urina, aí sim, quem sabe, você poderá argumentar com alguma lógica que a relação sexual homossexual é favorável a natureza.

Uma dica: simplifique as coisas, aceite essas práticas como uma opção de vida, de comportamento, de filosofia, PONTO, isso é plenamente possível! Melhor do que insistir em dizer que focinho de porco é tomada, você não acha?

Isso que tu chamas de constructo social, meu caro(a), não se aplica a fisiologia de seu próprio corpo. A concepção de que é possível ter, e entender, as relações homossexuais como favorável a natureza, sendo natural a fisiologia da espécie, ISSO SIM, É UM CONSTRUCTO social, porque está no campo das "ideias", e não da biologia/fisiologia, você inverteu as coisas, percebe? No entanto, você tem o direito de assimilar isso como verdade, concorda? Desde que responda por sí mesmo, o respeito as diferenças deve existir sempre, mesmo não concordando. Defendo sua liberdade, mas não o seu entendimento.

"para evitar que seu mundo desabasse"___O único mundo possível de desabar é o da mentira, eu não vivo uma mentira, mas uma Verdade muito bem fundamentada, quer saber qual?

"a palavra sexo só se aplica a humanos(?)" ___Não, aos animais também, o que se aplica apenas aos humanos, caso não tenha entendido o texto (o que parece ter acontecido), é o conceito de sexualidade amigo(a).

"uma macaca fêmea introduz os dedos e chupa a vagina da outra, levando-a ao êxtase, isto NÃO é sexo(?)"__Não como você imagina. A prática por sí só, quando dissociada do ambiente, experiências do animal, é uma prática sexual, porém, o significado dessa prática é que é diferente quando entendemos as relações sociais do grupo. No caso das macacas essa é uma relação que visa a atração do macho, é um estímulo sexual, onde as fêmeas podem se estimular entre sí, não por interesses homosexuais, mas como uma forma de exibição aos outros do grupo, aos machos, o que foge a isso não adaptações sociais ou confusão de sentidos.

É justamente neste ponto que entra os argumentos "malabaristas" do meu texto, pois ao olhar tais práticas, nós, humanos, atribuímos um conceito de SEXUALIDADE ao animal, sendo aquela prática, na verdade, uma reprodução de uma adaptação ou simulação social.

Compreendeu?

Agora amigo(a), você não falou sobre as implicações de se entender o comportamento animal como um modelo de comparação para os humanos. Considerando a hipótese da homossexualidade animal ser a mais pura verdade, segundo sua lógica, é natural também a pedofilia, canibalismo, agorafilia e encesto? Ou essas coisa são, TAMBÉM, apenas, um constructo social, já que os animais também praticam?

Abraço.

Resposta
avatar
Anônimo
15 de maio de 2012 10:55

porque voce nao assume que é gay ao inves de tentar dizer que é antinatural?

Resposta
avatar
15 de maio de 2012 12:18

Se os postulado de sua teoria mirabolante não são fixados na biologia/fisiologia, como argumentar a progresão da ciência sobre estudos comportamentais e fisiológicos de animais, mormente ratos e outros mamíferos - quiça alguns vírus com vida autônoma - para entender o comportamento humano e grande ajuda que se tem nesses estudos para a medicina humana? Creio, caro manipulador de palavras, que sua falta de interdisciplinariedade é o que geralmente falta a todo estudo fundametalista baseado numa só verdade!

Resposta
avatar
15 de maio de 2012 13:32

Prezado Will, se a homossexualidade fosse contrária na natureza, ela não existiria na natureza. E existe. O número de espécies já catalogadas pela ciência que apresentam homossexualidade ultrapassa os 500 (quinhentos). Ainda que seja razoável o argumento de que o conceito de sexualidade não se aplica aos animais, permanece o fato de que diversas espécies praticam sexo com pares do mesmo gênero, indicando que o mesmo fenômeno encontrado entre humanos (homossexualidade) ENCONTRA PARALELO IMEDIATO no reino animal (e portanto, natural e destituído de cultura ou moralidade específica). Assim sendo, fica evidente a falácia que é pressupor antinatural o que existe na natureza e natural o que nela não existe (por exemplo: Igreja). Ainda que o nome homo/heterossexualidade não seja aplicado à categoria animal, isso não muda nada pois é uma questão de nomenclatura e o FENÔMENO (dois seres animais do mesmo gênero praticando sexo), este sim existe.

A propósito do seu questionamento sobre por onde as pessoas iriam defecar se fornicassem pelo ânus, tenho a desconfiança que é por ele mesmo, só que não ao mesmo tempo.

Aliás, a sexualidade humana vai além da penetração e há casais homossexuais (tanto mulher-mulher quanto homem-homem) que não a praticam.

Por fim, e já que a obsessão aparentemente é o sexo anal, se Deus ou a natureza fossem contrários a ele, não existiriam no anus uma vasta rede de terminações nervosas altamente sensível e erógenas capazes de provocar orgasmos múltiplos - tanto em mulheres quanto em homens. Para alguém que supostamente é contrário a tal prática, por que cargas d'água Jeová haveria deixado esses "presentinhos" na fisiologia humana?

Me parece que esse Jeová é bem danadinho, hein?

A propósito, a distinção entre sexo e reprodução é bastante elementar e mas está ausente em suas premissas ao longo de toda a argumentação, o que a torna inválida.

Um outro exemplo de furo em sua peneira, digo, em seu esquema, é quando você afirma que os animais homossexuais (ok, já que você não gosta do termo: animais que praticam sexo com parceiros do mesmo gênero, pode ser assim?) só fazem o que fazem como forma de atrair o sexo oposto (você disse isso sobre as macacas) é FALSO. Existem casos documentados entre mamíferos, répteis e aves de animais homossexuais que constituem casal para a vida toda e até criam filhotes. Como lidar com essa informação inconveniente?

saudações!

Resposta
avatar
15 de maio de 2012 13:39

Ficou faltando responder seu último parágrafo, o que faço agora:

"Agora amigo(a), você não falou sobre as implicações de se entender o comportamento animal como um modelo de comparação para os humanos. Considerando a hipótese da homossexualidade animal ser a mais pura verdade, segundo sua lógica, é natural também a pedofilia, canibalismo, agorafilia e encesto? Ou essas coisa são, TAMBÉM, apenas, um constructo social, já que os animais também praticam?"

Antes de tudo é necessário apontas que o tema da homossexualidade no reino animal deveria ser irrelevante para o debate sobres os direitos civis fundamentais de uma República em pleno século de XXI.
Entretando, se adentramos nesse tema, NÃO é para tomar o comportamento animal como ponto de partida para guiar o comportamento humano, senão única exclusivamente para demonstrar a falsidade do argumento segundo o qual a homossexualidade humana é antinatural :)

Ou seja, a associação com pedofilia e canibalismo é pra lá de espúria, uma vez que se pretende recorrer ao paralelo entre animal e humana unicamente para demolir o argumento fundamentalista segundo o qual a homossexualidade em humanos é antinatural (apesar de ser abundante na natureza - risos).

Acontece que, não raro, apesar de terem sido eles mesmos a levar a discussão para o campo dos estudos naturais e biológicos para tentar validar um construto (o da artificualidade [?] daquela modalidade sexual), ao se darem conta de que nem mesmo nesse campo do conhecimento tal tese encontra apoio, muitos fundamentalistas se vêem acuados e então reagem com a seguinte falácia: "oras, mas o comportamento animal não deveria sevir de guia moral para o homem, pois se assim fosse teríamos como normais a pedofilia e o canibalismo".

No que só posso responder o seguinte: "É verdade, quanto a isso estamos inteiramente de acordo!". De fato o comportamento animal não serve de guia ou exemplo, mas serve - isto sim - para demonstrar que a homossexualidade é natural porque encontrada na natureza. Assaz simples :)


saudações!

Resposta
avatar
15 de maio de 2012 14:03

Olá amigos, Anônimo e Roberto!

Primeiramente obrigado pelo "manipulador de palavras", prometo que vou rever!

"porque voce nao assume que é gay ao inves de tentar dizer que é antinatural?"__ Se eu fosse Gay, seria coerente e respeitava a lógica dos fatos ao invéz de inventar meios de justificar o injustificável.

Roberto, vou lhe responder porque acredito que ao menos sua intenção foi boa e dotada de um questionamento, não de uma falsa acusação.

"como argumentar a progresão da ciência sobre estudos comportamentais e fisiológicos de animais..." ___Entendi! Amado, os estudos pela Medicina, Biologia, Psicologia, etc, que utilizam animais para estabelecer uma correlação com os humanos, não propõem a nós as -- mesmas condições -- em que vive o animal, mas sim um melhor entendimento naquilo em que somos -- semelhantes --, como estrutura nervosa, cerebral, reprodutora, digestiva, comportamental, celular, etc, visando o nosso benefício como um todo.

Em outras palavras, estudar o comportamento de uma bactéria, de um sapo, uma minhoca, implica dizer que somos iguais e partilhamos os mesmos costumes? CLARO QUE NÃO meu caro, porque cada espécie age conforme sua formação biológica e instintiva para atender as necessidades de seu corpo -- sem -- contudo, --- ir de encontro --- a sua própria natureza.

OU SEJA, você nunca verá como biologicamente natural um cavalo acasalar com uma vaca, se isso acontecer, é confusão de sentidos ou situação atípica no meio em que eles convivem, PORÉM, VOCÊ PODE VER UMA MULHER SENDO -- ESTUPRADA --, VOLUNTARIAMENTE, POR UM CAVALO, concorda? De quem é a culpa Roberto, do cavalo? Ou será do ser humano que em sua capacidade de formular "conceitos" vai de encontro a natureza de seu próprio corpo? Eis a nossa diferença em relação ao resto da criação, somos dotados de "razão", e ela nem sempre é usada...

Caso não tenha entendido, confusão de sentido é igual o cachorro que se agarra na perna de uma pessoa e simula um ato sexual com ela, por acaso isso é PERNO-sexualidade? O cachorro agora esta inventando moda? Ele é um PERNO-sexual? (gargalhadas) Ora, ora... Mas poderá ser, se eu formular agora um conceito de PERNOSEXUALIDADE e divulgar que existe pernosexualidade no mundo animal. Hilário...

A natureza é perfeita e existe em equilíbrio, porém o homem insiste em ser "desequilibrado"...

O amigo também não comentou minhas últimas colocações. Segundo sua lógica, seria "natural" para nós, assim como a homossexualidade, praticar também a pedofilia, o encesto, canibalismo, zoofilia, uma vez que os animais também praticam livremente e são, portanto, EXEMPLO de naturalidade equivalente ao nosso comportamento?

Abraço.

Resposta
avatar
Anônimo
15 de maio de 2012 14:32

Nossa!!! Estou chorando lágrimas de sangue agora, porque minha monografia foi totalmente desmoralizada com essa nova e revolucionária teoria totalmente científica!
Eu, mero biólogo, com mestrado em comportamento animal, jamais me perdoarei por não ter conhecido tanta sabedoria "cristã" antes.

Resposta
avatar
15 de maio de 2012 14:54

O senhor sabe muito bem como articular suas afirmações. Isso se chama retórica.
Manipular para que se enxergue apenas uma real e genuína verdade, isso é lavagem cerebral.
Não parece ter verdade que contradite a sua. Não sei por que o senhor não discutiu em suas réplicas o histórico embate entre Ciência e Religião.
É inafastável o papel da Ciência em nossa vida moderna.
O senhor utiliza de uma tática filosófica antiga de trabalhar em deduções absurdas para tratar de assuntos polêmicos - palavra usada para afastar o pensamento daquilo que não conhecemos. Enfim, trabalhar com estes exemplos parece confundir - e sua tentativa aqui é essa - e não esclarecer porque nós usamos dos animais para estudar comportamentos plausíveis de constatação. Admitir que um cavalo se acasalasse com uma vaca é um impropério para as discussões aqui. Afinal, quando mencionamos homossexualidade, mencionamos espécie humana com espécie humana; não se trata de usar de uma retórica desvirtuante. Vaca com cavalo nunca esteve numa cogitação de pensamento, mesmo para aqueles que não tem conhecimento de Religião e Ciência. Apelar para essas vinculações bizarras, não convence quem é esclarecido. Partamos então desse princípio.
Antes de nos entendermos como Homem -, substantivo - a Filosofia já questionava as relações interpessoais. Somos tributários dessa filosofia pre-cristã, que moldou e ainda molda há muito tempo o pensamento. Questões anteriores a essa nossa existência já foram tratadas. E se vale de registro, o Homossexualismo era prática humana recorrente entre os homens, sempre foi. Poderia se munir de amplo material de pesquisa, eis que minhas palavras não se acobertam de um argumento superficial, bizarro ou manipulável.

Resposta
avatar
15 de maio de 2012 14:54

Em pesquisa feita sobre seu histórico, percebi que seu discurso é inflamado por uma questão notoriamente cristã, eivada dos erros e acertos de seus representantes antigos ou hodiernos. Usar do argumento que nos comportamos como animais parte do único pressuposto de que fomos criados pelo seu mesmo Deus, e que, a priori, sempre fomos animais, apenas socializamos nossos costumes e desenvolvemos nossa capacidade de racionalizar nosso desejo inicial. Você deve saber disso porque deve estar sempre tentando alinhar o pecado e o prazer - luta esta interminável para aqueles que seguem a risca a cartilha da Igreja Católica.
Uma pergunta se faz oportuna para o senhor. Em que século você está vivendo? Acho que é uma época em que conceitos e valores são reavaliados sob novas perspectivas de quem estivera fora, como detentor do discurso Judaico-Cristão-Heteronormatizante-Branco. Há não muito tempo sua Igreja achava que índios e negros eram animais a serem domesticados e catequizados Quanta contradição; quanto absurdo! Estudos culturais enveredam pelo protagonismo das minorias, vozes estas que foram destituídas de vontade e vez na História. E olha que nem falei das mulheres.
Então, senhor Will, suas proposições se fundamentam em folhas amareladas pelo passado canônico, construídas sob o mito e o tratamento baseado numa cega fé. Escritos são apócrifos porque foram ignorados, e se a história fosse contada por eles?
Seu referencial é vazio de fundamentação científica, e se há aqui alguma força que deve ser ratificada é a da ciência que veio a retirar do Hall de doenças a homossexualidade, por conta de ser um mero construto social, que a sociedade hodierna está fragmentando esse pensamento fundamentalista e trazendo a tona a humanização do tratamento a que as minorias foram desprovidas durante o reinado de sua fé.
Até mesmo o mais novo Papa reconheceu algumas falhas, reconsiderou a famigerada camisinha.
Há certas coisas que não têm como retroceder.
A História prova que somente o tempo é o verdadeiro senhor de alguma razão. Vale relembrar a tentativa de Hitler de nos transformar numa só nação, de nos embranquecer, de nos repudiar pelas nossas crenças e origens.
Quanta impropriedade.
Seus argumentos parecem o mesmo de Procusto, que a todo custo queria uniformizar seu pensamento; as pessoas, e porque não, seu próprio pensamento. Mais do que nunca, devemos rever a História para reavaliar posturas, erros, impropérios. De que valerá a luta histórica por um mundo mais humano, se ainda persiste, como em seu discurso, a primazia de uma verdade. Olhemos para frente. Seu pensamento é por demais retrógrado.
E no mundo atual não cabem mais pensamentos obtusos e manipuladores como o seu - pelo menos para os que estão além do senso comum.

Resposta
avatar
15 de maio de 2012 16:04

pq o meu comentário onde desconstruí seu argumento não foi publicado? Isto não é um indicador de honestidade intelectual.

Resposta
avatar
15 de maio de 2012 16:18

Fiz um extenso comentário onde desconstruí seu argumento, Will. Quando voltei aqui, vi que novos comentários surgiram, mas o meu não está. Por favor, não faça isso. Não é legal.
Então vou aceitar seu desafio:

"Segundo sua lógica, seria "natural" para nós, assim como a homossexualidade, praticar também a pedofilia, o encesto, canibalismo, zoofilia, uma vez que os animais também praticam livremente e são, portanto, EXEMPLO de naturalidade equivalente ao nosso comportamento?"

Essa é fácil de responder, Will:

Se estamos aqui eu, você e os demais discutindo a homossexualidade comum no reino animal, não é porque um belo dia acordamos inspirados e nosso efervescente espírito científico e inclinação por biologia nos levaram a pesquisar este tema, mas sim porque a discussão toda deriva de uma outra: o debate sobre os direitos civis dos homossexuais numa república laica.

Assim sendo, existe um CONTEXTO. E o contexto é o seguinte: adeptos de religiões abraâmicas costumam opor-se a concessão de direitos igualitários aos homossexuais, mesmo ao preço de contrariar os princípios mais elementares que norteiam a Constituição como o da simetria de direitos, da analogia, da igualdade, da liberdade e talvez mais importante: o da laicidade.

Quando o debate é levado adiante, temos que sempre ou quase sempre a posição religiosa redunda em dois argumentos: o do fundamentalismo bíblico (é errado porque está escrito neste papel) e o do "é errado porque vai contra a natureza".

Então é precisamente deste último argumento religioso, o "é errado porque vai contra a natureza" que deriva o debate sobre a homossexualidade no reino animal. Este é o *contexto*.

Assim sendo, a investigação da sexualidade no reino animal só tem relevância para o presente debate no que tange a comprovação ou refutação do argumento religioso. Como já foi colocado repetidas vezes, a constatação de sexo e formação de casais do mesmo gênero entre papagaios, pinguins, macacos e outros mamíferos e até répteis refuta o argumento religioso e aponta para a naturalidade do fenônemo.

Eis que, diante da refutação de seu argumento, não é incomum que fundamentalistas religiosos - desesperados - apelem para a inversão do contexto.

Dizem eles: " Segundo sua lógica, seria "natural" para nós, assim como a homossexualidade, praticar também a pedofilia, o encesto, canibalismo, zoofilia, uma vez que os animais também praticam livremente e são, portanto, EXEMPLO de naturalidade equivalente ao nosso comportamento?"

A resposta a isso é simples: Em nenhum momento e em nenhum dos debates e por nenhuma das partes debatedoras jamais foi proposto que o comportamento animal seja adotado como guia para o comportamento humano. Pois isso seria validar comportamentos grotescos como os citados por você.

Em outras palavras, eu e você concordamos que pedofilia, Incesto, canibalismo e zoofilia são inaceitáveis. O pulo do gato está na tentativa desleal de invalidar a refutação do argumento "a homossexualidade é errada porque não é natural porque" estabelecendo uma relação espúria (para usar uma linguagem estatística) entre homossexualidade e os já citados incesto, pedofilia e congêneres.

É um raciocínio falacioso, mas perdoável, desde que não tenha sido proposital, caso em que configura deslealdade intelectual.

Saudações.

Resposta
avatar
15 de maio de 2012 16:32

Em outras palavras, a legitimidade do sexo e do amor homoerótico *não* deriva do fato de ela poder ser encontrada também entre os animais não racionais e portanto aculturais. Essa legitimidade deriva, sim, dos direitos naturais da pessoa humana (jus naturalismo), do amor, instinto, desejo e impulso erótico que essas pessoas sentem umas pelas outras. Em outras palavras: a homossexualidade é legítima e natural porque as pessoas desde a era neolítica (há fosseis que comprovam - posso falar sobre isso se quiser) até os dias atuais continuam DESEJANDO pessoas do mesmo gênero e este desejo é expressão direta de suas almas - portanto é divino.
Neste contexto, a constatação da existência de animais homossexuais serve *não* para legitimar a homossexualidade humana, mas para *invalidar* o argumento fundamentalista-religioso que alega ser a homossexualidade contrária à natureza - a despeito de ser encontrada nela (risos).

Acho que agora ficou respondido seu desafio.

Resposta
avatar
15 de maio de 2012 16:38

Só para demonstrar como o raciocínio é pra lá de falacioso, veja o que acontece se aplicamos seu próprio método de questionamento a um outro comportamento muitíssimo comum no reino animal: a HETEROssexualidade. A seguir:

"Segundo sua lógica, seria 'natural' para nós, assim como a HETEROSSEXUALIDADE, praticar também a pedofilia, o encesto, canibalismo, zoofilia, uma vez que os animais também praticam livremente e são, portanto, EXEMPLO de naturalidade equivalente ao nosso comportamento?"

percebe a falácia? agora ela ficou palpável.

Puxando um gancho para a questão FISIOLÓGICA, que parece ser o único campo de argumentação onde ainda lhe resta alguma possibilidade, gostaria de trazer para o debate o seguinte link:

http://en.wikipedia.org/wiki/Orgasm#Anal_stimulation_in_both_sexes

ele descreve como a FISIOLOGIA humana está projetada de tal forma que o estímulo anal pode provocar intenso prazer - orgasmo :) :) :)

Resposta
avatar
15 de maio de 2012 16:48

Coisa linda! Obrigado por vocês me darem a oportunidade de pensar, ainda mais quando sei que estou debatendo com experts no assunto, mestres, muito diferente de mim, humilde pensador...

Evidentemente meu comentário será generalizado, uma vez que não posso responder diretamente devido ao sistema do blogger. De ante mão deixo claro que este não será o último, continuarei amanhã, pois meu horário extrapolou, tenho uns 40min de trânsito pela frente. Também deixo claro que todos os comentários são publicados, até os ofensivos, se algum demorar, é porque não fico olhando constantemente a moderação. O Vitrine2009 é um espaço realmente democrático em que ponho a prova minhas próprias concepções, exatamente no intúito de aprender, e ensinar...

Vou tentar ser específico, pois o que me interessa não são interpretações pessoais da história baseadas numa entropologia parcial e especulativa (essas vertentes já conheço), mas a esplanação de argumentos DIRETOS que expliquem, esclareçam e convençam (?), ao invés do mesmo discurso de sempre que julga haver "inteligência" em opinar o que não se entende acerca de Deus e o sentimendo religioso... Mas essa é uma outra questão!

Continuação...

Resposta
avatar
15 de maio de 2012 16:54

Entendi perfeitamente seu raciocínio Sr. Qualquer! Por isso lhe responderei amanhã, não precisa comentar sobre os fósseis (já conheço), mas se quiser, fique a vontade, será bom para o debate...

Continuação...

Resposta
avatar
16 de maio de 2012 09:03

Continuando...

1- "se a homossexualidade fosse contrária na natureza, ela não existiria na natureza. E existe." ___Também existem na natureza anomalias genéticas, disfunções sensoriais, modificações comportamentais por alterações do meio, mutações, dizemos então que são naturais apenas por existirem? A noção do que é bom ou mau vai além do simples fato de algo exisitr, mas ao como veio e o porquê!

2 - "permanece o fato de que diversas espécies praticam sexo com pares do mesmo gênero" ___Quando vc descreve "praticam sexo", seu termo está carregado de uma conotação moral em que está atribuindo um -- conceito de sexualidade a uma circunstância social que se utiliza de práticas sexuais como forma de consolidar interesses individuais e de grupo. Esse é o argumento do meu texto, representando o entendimento da maioria dos pesquisadores quanto a "homossexualidade" animal. Aliás, caso não saiba, a maioria dessas espécies chamadas "homossexuais", o são, porque apenas tem -- a companhia -- do mesmo sexo, numa relação de cooperatividade, parceria, não chegando a consumar relações sexuais, de fato! Ou seja, seria o mesmo dizer que dois amigos que moram juntos, para dividir o aluguel, as contas da casa, etc, são homossexuais, ora essa, o que isso tem haver com sexualidade? Mas estes animais, em sua esmagadora maioria (para não arriscar dizer todos)são apenas "parceiros", sabe por que? Pelo mesmo motivo dos humanos, a fisiologia não é compatível! Isso reforça a interpretação da "homossexualidade" animal como um "conceito aplicado", pois o que levaria dois animais do mesmo sexo, que não podem copular, manterem-se juntos? ADAPTAÇÃO SOCIAL ou confusão de sentidos. É muito simples amigos, esqueçeram o exemplo da PERNO-sexualidade?

3 - "...já que a obsessão aparentemente é o sexo anal, se Deus ou a natureza fossem contrários a ele, não existiriam no anus uma vasta rede de terminações nervosas altamente sensível e erógenas capazes de provocar orgasmos múltiplos..." ___Nossa!(gargalhadas), tudo bem, entendo seu argumento pragmático. Querido(a), terminações nervozas agora é sinônimo de órgão sexual? Zonas erógenas é para uns, não é para outros, aliás, o prazer "anal" nas mulheres só é possível quando associado aos estímulos da vagina, por que será? O prazer que ela sente não é por ter um pênis (?) agredindo o sensível revestimento de seu prolongamento intestinal, mas por isso estar sendo associado a excitação de seu verdadeiro órgão sexual, a vagina. O mesmo vale para os homens! Caso contrário tudo não passaria de estímulo nervozo, o qual não seria diferente de "cócegas no pé" (risadas).

Zona erógena, sim, mas não sexual, e sim excretora! As radiaçoes nervozas, dentre as quais a principal é o nervo Pudendo, servem para dar controle a musculatura na base do períneo e esfincteres, sendo a sensibilidade um fator primordial para esse controle (Aquela hora em que vc tem a sensação de que vai "cagar", sabe? É, todo mundo sabe, mas graças às terminações nervozas você contrai o esfincter, certo?), se não houvesse esta sensibilidade, MEU CARO, você teria INCONTINÊNCIA FECAL... satisfeito? Pois é, DEUS realmente sabe o que faz, quem não sabe é o humano...

Continua...

Resposta
avatar
16 de maio de 2012 10:18

Continuando...

4 - "Existem casos documentados entre mamíferos, répteis e aves de animais homossexuais que constituem casal para a vida toda e até criam filhotes. Como lidar com essa informação inconveniente?" ___Não há inconveniente, pois a relação de companheirismo entre animais do mesmo sexo não tem haver com uma sexualidade "diferente", mas com interesses. Amigo, algumas espécies, por exemplo, simulam características femininas na intenção de se aproximar de outros machos (são travestís? Risos), não por sexo, mas por proteção, aprendizado, caça e até o frio! Perceba que todas estas relações nós, humanos, atribuímos erradamente o conceito de sexualidade, tendo por trás uma motivação estritamente social, quando não, é confusão de sentidos (não esqueça da perno-sexualidade).

5 - "o tema da homossexualidade no reino animal deveria ser irrelevante para o debate sobres os direitos civis fundamentais de uma República em pleno século de XXI." ___Concordo plenamente!

6 - "Ou seja, a associação com pedofilia e canibalismo é pra lá de espúria, uma vez que se pretende recorrer ao paralelo entre animal e humana unicamente para demolir o argumento ...segundo o qual a homossexualidade em humanos é antinatural" ___Isso é trágico!

Reveja suas palavras:

"...diversas espécies praticam sexo com pares do mesmo gênero, --indicando-- que o mesmo fenômeno encontrado entre humanos (homossexualidade) ENCONTRA PARALELO IMEDIATO no reino animal (e portanto, natural e destituído de cultura ou moralidade específica)" ___Você nega e afirma ao mesmo tempo, não quer admitir a infeliz associação do argumento "homossexualidade" animal lado à comportamentos bizarros também dos animais, mas também não quer deixar de usar o exemplo da "homossexualidade" animal como um "PARALEDO IMEDIATO" e, "portanto, natural..". Ora meu caro, não percebe que a sua premissa é a mesma utilizada pelos que praticam atos bizarros? Inevitavelmente a lógica é a mesma.

Mais uma vez:

"De fato o comportamento animal não serve de guia ou exemplo, mas serve - isto sim - para demonstrar que a homossexualidade é natural porque encontrada na natureza..." ___Nossa! Fica nítido que você tenda DI-ssociar uma coisa da outra, mas no final acaba "caindo" na mesma contradição, "...é natural porque encontrada na natureza..." Vamos validar como naturalidade equiparável ao comportamento humano tudo que existe na natureza, certo? Aff! Não se preocupe, eu entendo você, pois imagino como deve ser difícil entender o humano como algo diferente de um animal. Por essa visão, nada mais "normal" do que associar seu comportamento aos animais, você pode não admitir agora, até acredito que esteja sendo sincero, mas é algo inevitável, lamento! Nesse exato momento, em outras partes do mundo e já NO BRASIL, existem pessoas utilizando o mesmo argumento que o seu para justificar a pedofilia, canibalismo, encesto, etc, simplesmente porque a lógica É A MESMA! Lamento...

7 - "Não parece ter verdade que contradite a sua." ___Roberto, não tenho uma verdade, porque ela simplesmente se mostra na própria natureza, portanto, não é MINHA, mas de todos. A diferença é que alguns não a compreendem e preferem moldar os fatos segundo seu próprio entendimento, não conseguem ser imparciais e, PRINCIPALMENTE, HONESTOS consigo mesmo!

8 - "Não sei por que o senhor não discutiu em suas réplicas o histórico embate entre Ciência e Religião." ___Querido, quando falo de ciência, estou falando de fé, e não de religião. Uma fé autêntica não está preocupada com religiosidade, tradições e dogmas inventados. Uma fé verdadeira faz ciência espontaneamente, porque é honesta com os fatos, ela mesma se põe a prova! Ela mesma é matéria de estudo. Isso parece fundamentalismo para você? Certamente não é!

Continua...

Resposta
avatar
16 de maio de 2012 10:19

Continuando...

9 - "Admitir que um cavalo se acasalasse com uma vaca é um impropério para as discussões aqui. Afinal, quando mencionamos homossexualidade, mencionamos espécie humana com espécie humana; não se trata de usar de uma retórica desvirtuante. Vaca com cavalo nunca esteve numa cogitação de pensamento, mesmo para aqueles que não tem conhecimento de Religião e Ciência." ___A mesma contradição do amigo "Qualquer". A resposta que dei a ele é a mesma para você. Quando as referências culturais da antiguidade para o homossexualismo, leia esse texto no link abaixo e depois me diga o que entendeu, no mais, quem disvirtuou completamente o foco do assunto aqui foi você. Sua interpretação "revolucionária da história" não acrescenta nada de novo aos fatos, senão opiniões confusas construídas, não por você, mediante as dificuldades em lidar com a realidade de fatos que contrariam os interesses de certos pensadores.

Não sou fundamentalista meu caro, apenas procuro ser honesto com os fatos, com a lógica na interpretação desses fatos e, principalmente, comigo mesmo. Se isso contraria o "pensamento moderno" (risos) convença-me do contrário, tem a garantia de meu interesse...

http://vitrine2009.blogspot.com.br/2012/05/sexo-prazer-por-prazer-pratica-em-busca.html

Resposta
avatar
16 de maio de 2012 10:43

Continuando...

10 - "Se estamos aqui eu, você e os demais discutindo a homossexualidade comum no reino animal, não é porque um belo dia acordamos inspirados e nosso efervescente espírito científico e inclinação por biologia nos levaram a pesquisar este tema, mas sim porque a discussão toda deriva de uma outra: o debate sobre os direitos civis dos homossexuais numa república laica." ___Lamento que existam pessoas desrespeitosas que não sabem separar o caráter do estilo de vida de outros. Concordo com certos direitos civis, porém, não criando uma classe especial de pessoas, mas garantindo que a regra básica da vivência em sociedade; o respeito a diversidade de pensamento e cultura, seja direito de todos. Vou mais além... penso que a criação de certos "regimes" exclusivos para os homossexuais não banirá a falta de tolerância à PESSOA, ao diálogo, as diferenças individuais, mas sim, que vão PROMOVER ainda mais uma sentimento de segregação e revoltas na sociedade..., não é diferente do que já aconteceu em outras partes do mundo em relação a étnias e credos.

11 - "Quando o debate é levado adiante, temos que sempre ou quase sempre a posição religiosa redunda em dois argumentos: o do fundamentalismo bíblico (é errado porque está escrito neste papel) e o do "é errado porque vai contra a natureza". ___Aqui vc está resumindo todo um entendimento contrário as práticas da homossexualidade a questão religiosa, não é assim! Se formos tratar isso no seio da Igreja, aí sim, é o que está no credo, e PONTO! Mas no Estado não pode ser assim! Querido, o problema civil em relação aos homossexuais é simples, querem impor, NÃO APENAS UM DIREITO, mas um entendimento! Esse é o problema, o entendimento está no campo ético, filosófico, científico, onde não ha HARMONIA nos estudos apresentados, alías, o que há são muito mais especulações e formulações teóricas do que fatos! Como se não bastasse, querem fazer desse "entendimento" uma forma de "Calar" os entendimentos CONTRÁRIO, ora... essa é a liberdade, tolerância e diversidade que você defende? Enquanto continuar assim não vejo como haver direitos iguais.

12 - "Então é precisamente deste último argumento religioso, o "é errado porque vai contra a natureza" que deriva o debate sobre a homossexualidade no reino animal. Este é o *contexto*." ___Esse não é um argumento religioso, é científico, ético, filosófico. Se a religião utiliza conhecimento científico para fundamentar sua crença é outra história, mas o argumento é demasiadamente científico e alguns deles você já conheçe, porque leu o meu texto, ele pareceu religioso para você? Se Biologia, Ética e Filosofia forem religião, então diga que SIM!

13 - "A resposta a isso é simples: Em nenhum momento e em nenhum dos debates e por nenhuma das partes debatedoras jamais foi proposto que o comportamento animal seja adotado como guia para o comportamento humano. Pois isso seria validar comportamentos grotescos como os citados por você." ___Querido, vou lhe dar uma triste informação: SÓ SE FOR PARA VOCÊ, mas não é isso que sua militância pensa! E mesmo que não pense, a implicação é diretamente proporcional, faça o "malabarismo teórico" que quiser, cairá em contradição...

Continua....

Resposta
avatar
16 de maio de 2012 11:38

Continuando... UFA! (risos)

14 - "É um raciocínio falacioso, mas perdoável, desde que não tenha sido proposital, caso em que configura deslealdade intelectual." ___Estou tentando ser honesto e sincero com o que a lógica me diz. Ao pensar assim, caro "Qualquer", estou defendendo até mesmo os próprios homossexuais, pois um dia vocês(?) terão filhos, farão geração e serão os mesmo que vão olhar o passado e dizer "Antigamente o mundo era mais saudável, não tinha tanta bizarriçe".

Vejo que você se "choca" com a possibilidade de sua lógica validar comportamentos bizarros, entendo, isso mostra que há moralidade em você (direfente dos que nem nisso acreditam), mas lamento, analise melhor este "PARALELO IMEDIATO" e sendo honesto chegará a mesma conclusão...

15 - ""Segundo sua lógica, seria 'natural' para nós, assim como a HETEROSSEXUALIDADE, praticar também a pedofilia, o encesto, canibalismo, zoofilia, uma vez que os animais também praticam livremente e são, portanto, EXEMPLO de naturalidade equivalente ao nosso comportamento?" ___ kkkk, entendi, você realmente está se esforçando para defender seu raciocínio, parabens, outros já teriam me xingado, kkkk.

Estás dando voltas amigo, tentando encontrar um argumento que não valide sua lógica para coisas bizarras, não percebe? Além disso refoçaste meus argumentos. Evidente que não praticaremos tais bizarriçes por isso, ora, se meu argumento é justamente para DI-ssociar o -- conceito -- de sexualidade como um "PARALELO IMEDIATO" de comportamento com os animais, como poderemos usar isso como exemplo? (risos). Além do mais, heterosexualidade amigo, ESTA SÍM, não é uma aquisição social do comportamento (como é a homossexualidade), mas uma CONDIÇÃO GENÉTICA, ela é, portanto, um fruto irrefutável da natureza e isso fala por sí mesmo. Por esse motivo niguém muda de gênero sexual, mas sim de sexualidade (salvo anomalias)! Nessa natureza, o comportamento e suas adaptações são características de cada espécie, uma não é necessariamente igual a outra, cada qual responde as suas necessidades, respeitando, porém, as limitações de sua formação fisiológica! O "PARALERO IMEDIATO" para "justificar" determinado tipo de comportamento quem está querendo fazer são os homossexuais, não os héteros!

Para que você não interprete isso como uma refutação direta aos homossexuais, quero lembrá-lo que este argumento é o mesmo para refutar a ideia de "INSTINTOS" determinantes. Você é determinado por instintos? Se for, sua lógica ganha sentido, mas se nesse "padrão instintivo" houver uma coisa chamada MOTIVAÇÃO e SIGNIFICADO..., tudo muda completamente!

Abraço.

Resposta
avatar
16 de maio de 2012 13:18

Por último, a todos:

Os direitos e também o respeito que os homossexuais tanto querem conquistar, não será na base da imposição de pensamentos, ideologias contraditórias e plenamente refutáveis, mas sim com a defesa da liberdade individual, não parece simples? Ora, não há motivo para tanto alarde, cada um faz o que quer, desde que responda por sua própria vida e esteja sujeito a outras opiniões.

Penso que a moralidade relativa ao modo como a sociedade trata os homossexuais nunca virá a existir através de estudos, principalmente quando falamos de estudos controversos, não comprovados ou plenamente refutáveis, mas sim com uma EDUCAÇÃO social que busque o respeito as diferenças de pensamento, MESMO NÃO CONCORDANDO com elas. Essa educação, no entanto, não é impositiva de valores por terceiros, não é manipulativa, nem parcial, é CRÍTICA e inerente a cada família.

Portanto, se esforçar para dizer que "focinho de porco é tomada", ao meu ver, não é só uma perca de tempo em termos de "conquista", como não é o modo mais inteligente de tratar a intelectualidade humana.

Abraço.

Resposta
avatar