TRABALHO FORMAL OU INFORMAL? DEPENDE DE VOCÊ!

Quando você pensa em trabalho logo imagina uma empresa, salário fixo, chefe, expediente e carteira de trabalho assinada. Estou errado? Acho que não, pois essa é principal associação quando o assunto é emprego. Mas você já parou para pensar e perceber que a ideia de emprego atualmente esta cada vez mais diferente dessa imagem formal de trabalho?

A concorrência e o maior acesso ao conhecimento e qualificações estão criando um novo perfil de profissional no mercado. Empresas já não estão satisfeitas com aquele funcionário perfeitamente adequado a sua função. É preciso ter mais aoferecer. Esse algo a mais são qualidades muitas vezes comportamentais que fazem a grande diferença no dia-a-dia entre profissionais e profissionais.

Nessa nova realidade a versatilidade é o fator principal e ela se aplica a todas as formas de trabalho. No entanto o profissional versátil dificilmente se contentará com pouco e, assim como evolui o padrão de exigências das empresas para com o profissional, também muda as expectativas do próprio profissional. Aqui surgem as oportunidades de trabalho criadas por ele próprio, pois os outros profissionais, aqueles “perfeitamente adequados” vão ficando para as vagas formais, que servem para manter o padrão de funcionamento de uma empresa. Mas quem fará esta empresa assumir e acompanhar as mudanças constantes do mercado senão o profissional versátil? Quem tornará essa empresa dinâmica, senão o profissional diferenciado? Por isso explica-se também o interesse das empresas por esse profissional versátil. Pois se sabe que esses darão as empresas muito mais do que lhes é solicitado.

Esse profissional ao descobrir seu potencial de trabalho um leque de opções abre a sua frente. Você está diante de um mercado vasto de necessidades e talvez o seu atual emprego não lhe dê o que você realmente merece. Muita dedicação, esforço e doação para pouco reconhecimento e benefícios, então você pensa; já não está na hora de mudar?

Dificilmente um emprego formal satisfará suas expectativas de crescimento a não ser com muito, mas muito tempo de esforço e doação. Existem aqueles que se contentam com o que apenas mantém a sua vida, e também não faz errado, mas o profissional versátil quer sempre mais, ainda que não por dinheiro, mas pelo prazer se enfrentar novos desafios, sempre. Então você pensa; já não é hora de mudar? A dúvida é se com o mesmo tempo de esforço você por conta própria não seria capaz de alcançar três vezes mais sucesso, uma vez que defina suas próprias regras e metas. Aqui está o profissional versátil diferenciado. Ele sabe que isso é possível. Ele acredita que é capaz de construir sua própria realidade, então por que se doar tanto para outro se pode fazer isso para si mesmo?

A imagem formal de emprego que expus no primeiro parágrafo some da sua mente para dar espaço às possibilidades. Você então se acha num novo cenário. A diferença é que neste novo cenário você é quem define as regras e o caminho a seguir. Já não falamos de trabalhar muito ou pouco, mas de trabalhar para quem e com quê propósito. Até que ponto sua determinação lhe trará coragem suficiente para decidir tomar novas atitudes?

Quero dizer que não existem mais limites para o trabalhar, pois o conceito antigo de emprego formal está diluído as oportunidades que surgem a cada momento, onde o mais fantástico disso tudo é que nesse cenário VOCÊ, o profissional versátil é o principal agente de mudança, não mais as empresas e as oportunidades que ela oferece, mas a capacidade que tem o profissional de empregar-se. Portanto, desenvolver a sua própria empregabilidade é tornar-se cada vez mais independente do mercado, invertendo o “jogo”, isto é, fazendo o mercado ser dependente de você, e não você dele! Será que isso é possível?

Gostou do texto? Deixe seu comentário abaixo que será um prazer conhecer a sua opinião. Abraço e até a próxima...    

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima
Anônimo
18 de março de 2012 17:21

Concordo plenamente, já que nós mesmos é que impomos nossos próprios limites.

Resposta
avatar