DISMENORRÉIA, CAUSAS E SINTOMAS!

Apesar de desconhecido, dismenorréia, esse é o nome dado aquela dor tipo cólica bem conhecida entre as mulheres durante a menstruação. Além da dor, podem ocorrer diversos sintomas, como náuseas, dor de cabeça, cansaço e diarréia. Acomete cerca de 75% das mulheres entre 18 e 35 anos, sendo que 10% das mulheres tornam-se incapazes durante esse período de exercer suas atividades diárias, como trabalho e escola.

Existem dois tipos de dismenorréia:
Primária - que é aquela que ocorre sem nenhuma doença orgânica uterina, geralmente inicia-se na primeira menstruação da vida da mulher e melhora ou desaparece após os 20 anos de idade;
Secundária – há a presença de doença pélvica, como por exemplo, endometriose, miomas e má formação uterina. Geralmente surge alguns anos após a primeira menstruação e começa vários dias antes da menstruação chegar. Diz que há dor antes, durante e após a menstruação.

E você sabe quais as causas da dismenorréia?

Todos os meses o nosso útero se prepara para receber um feto. Com isso há um aumento na espessura da parede uterina (endométrio), para alimentar o novo embrião, caso haja fecundação. Se não houver fecundação, o útero passará por um processo de limpeza, chamado menstruação, para recomeçar o processo novamente.
Existem substâncias secretadas pelo útero (chamadas prostaglandinas) que vão ajudar na sua descamação (menstruação). Mas, essas substâncias induzem o útero a se contrair e se essa substância estiver em excesso causará a cólica.
Mas, devemos ter em mente que existem vários fatores do nosso estilo de vida que vão ajudar ou piorar a dismenorréia, como alimentação, peso, tabagismo, estresse e consumo de álcool.

Como diminuir os sintomas da dismenorréia?

Em relação a nossa alimentação, os alimentos ricos em fibras, como as frutas (principalmente o abacaxi), vegetais, legumes, cereais integrais e farelos são fundamentais para manter um equilíbrio no organismo. Também é importante manter uma alimentação com poucas calorias, evitando-se alimentos gordurosos e com muito açúcar.
Aliada a essa alimentação balanceada temos a prática de exercícios físicos, dos quais os mais eficazes são a caminhada e a ginástica, que promovem um maior relaxamento e uma melhor oxigenação do útero. Também é importante evitar o fumo e o álcool, pois essas substâncias induzem um aumento nas cólicas uterinas.
Dessa forma, com alguns cuidados básicos no nosso cotidiano podemos amenizar esse incômodo que muitas vezes nos atrapalham tanto nas nossas atividades. Se você sofre com esse problema, é importante procurar um ginecologista, pois esse profissional poderá investigar se a sua dismenorréia é primária ou secundária e, a partir daí, traçar um tratamento específico para cada caso. O uso de remédios deve ser feito com a orientação de um médico, para não haver automedicação e garantir a eficácia do tratamento.
Bom, espero que tenha esclarecido um pouco sobre esse mal que atinge tantas de nós, mulheres, e atrapalha tanto o nosso cotidiano. Seguir essas dicas e procurar a orientação profissional são uma boa opção para dar mais qualidade de vida a quem sofre desse mal.

Por: Joseane
Especialista em Saúde da Mulher

COMPARTILHAR

Edição:

Somos uma mídia independente, oferecendo conteúdo com perspectiva cristã através de comentários sobre notícias do Brasil e do mundo. Para apoiar, compartilhe nossos textos e curta a página no Facebook.

Anterior
Proxima