14 de novembro de 2010

EJACULAÇÃO PRECOCE? INFORMAÇÕES BOMBÁSTICAS!


Se você chegou até aqui querendo entender o que é a Ejaculação Precoce, desejando resolver esse transtorno sexual na sua vida ou na de seu parceiro, então prepare-se, pois quando ler este texto você terá uma compreensão diferenciada que talvez muitos outros textos não lhe deram, e tenho certeza que isso influenciará sua vida sexual completamente.

Vamos ao que interessa?


Você já deve ter lido que a Ejaculação Precoce (EP) é provocada por fatores físicos, psicológicos e habituais. Pois bem, isso é verdade, no entanto em mais de 80% dos casos o motivo é psicológico, restando apenas 20% para causas orgânicas e de hábitos espontâneos. Isso nos mostra algo extremamente delicado, pois a Ejaculação Precoce representa mais de 40% dos problemas sexuais relatados pelos homens, afetando diretamente em seu bem-estar físico-emocional. Mas saber disso é também uma boa notícia, pois nos mostra que, no que se refere a psique humana, "tudo" é passível de influência e será esse o meu objetivo hoje, mostrar não apenas o principal motivo da ejaculação precoce, mas como resolver esse problema através de práticas simples do seu comportamento, focando tanto o homem quanto a mulher.

Em primeiro lugar entenda que Ejacular não é a expectativa (desejo) criado pelo homem (ou mulher), mas sim o Orgasmo. Isto é, aquela sensação singular de prazer considerado o ápice da relação sexual. E falando de prazer, todos queremos e corremos atrás dele, mas vivemos numa sociedade em que já não se compreende tanto o significado emotivo-afetivo do sexo, ao invés disso valoriza-se com mais exclusividade o elemento FÍSICO da relação, que nada mais representa do que um meio para se atingir um... "prazer". Aqui temos o primeiro problema desencadeador de futuros "ejaculadores precoces", qual será? Perceba:

A relação afetiva é ---construída---- e, como tal, precisa de liberdade, intimidade, conhecimento e teeeeeeempo espontâneo para se tornar verdadeira. Lembre-se, estou me referindo a relação AFETIVA! Consequentemente o prazer físico nasce com espontaneidade. Ele passa a ser uma manifestação de um prazer prévio onde o bem-estar consigo mesmo e com o ---outro--- prevalece. Isso significa que não há qualquer peso de obrigação ou responsabilidades para com a ---aquisição---de um prazer físico, pois tudo passa a ser uma coisa só, vinda de um embrião chamado RELACIONAMENTO. Por outro lado, a relação sexual destituída de significado, mas apenas motivada pela aquisição abstrata de um prazer físico, trás consequentemente a OBRIGAÇÃO de se obter prazer e dar prazer ao outro, e este é, infelizmente, o "grande" significado que temos assumido em nossa sociedade acerca do sexo.

Como vemos isso na Ejaculação Precoce?


Assim: o jovem garoto (vamos chamar de Joãozinho. Se você for homem, ponha-se no lugar dele, ok?) cresce absorvendo ideias, imagens e músicas ao longo de toda a sua vida que dizem para ele indiretamente: "você tem que ter prazer e ser o gostosão, o negócio é arrebentaaaar", criando assim uma expectativa de desempenho sexual restrita a uma imagem de super-herói, destituída de valores afetivos, onde o sexo é um fim último em si mesmo para o... "prazer". Vemos isso claramente nos filmes norte-americanos que abordam a temática jovem, onde o cara mais popular, gostosão, atual, o "bem-na-fita" é aquele que "pega todas" (...).  Ou seja, Os relacionamentos construídos não são valorizados, consequentemente a espontaneidade das relações sexuais se perde para dar lugar e significado exclusivo ao ---momento--- do prazer, que é traduzido pelo ---orgasmo---. Interessante, não? 



O jovem Joãozinho (você ou seu parceiro) então,  ao se descobrir através da masturbação já tem seu comportamento espontâneo sexual definitivamente influenciado por esses valores. Ou seja, seu ato de descoberta sexual já é predeterminado. Ele quer chegar, quer obter... chegar lá! Ele deseja ---loooogo--- atingir aquilo que todos falam ser o ---mais valioso---, o mais legal, o ápice.. !!! Claro que para completar esse quadro psicologicamente CONDICIONANTE, ele ainda sofre a pressão muitas vezes de um ambiente repressor, repleto de mitos e valores também equivocados. Joãozinho então se descobre escondido, preocupado em não ser visto. 

...por isso ele vai rápido, muito rápido, mais rápido, rápido... querendo alcançar logo o seu momento solitário de: prazer

Joãozinho vai assim, sem saber, construindo um modelo, um padrão de comportamento sexual completamente ----adaptado---- as circunstâncias psicológicas que ele experimentou durante anos da sua vida. Advinha só onde isso vai dar? Exatamente na Ejaculação Precoce!

Perceba então que dois fatores ---psicológicos--- contribuem fortemente para o desenvolvimento da Ejaculação Precoce:

1º- Expectativa Social: A pressão ---indireta---- exercida pela sociedade pondo o sexo como objeto de consumo e criando expectativas cada vez mais cedo nos jovens, fazendo-os idealizar um modelo de perfeição e prazer como fim em si mesmo, transformando as relações humanas numa relação de obrigações estritamente sexuais;

2º- Repressão do meio: Exercida principalmente pela família através de valores educacionais as vezes equivocados. O jovem desenvolve sua sexualidade de modo tenso, angustioso, reprimido, buscando assim momentos de prazer (masturbação) rápidos e contidos, adaptando sua mente a esse modelo de "prazer".

Joãozinho mais tarde, na sua primeira relação sexual (tomara com sua esposa) vai empolgaaaado descarregar todas as suas expectativas, mas nem mesmo retirou o instrumento e o mesmo já ejaculou, e agora? Tudo bem, é apenas a primeira relação e isso é normal de acontecer, afinal ele ainda não tem experiência. Mas acontece que mesmo depois da 100º relação Joãozinho ainda ejacula já nas preliminares e quando consegue fazer penetração é por apenas alguns segundos. Ora, Joãozinho realmente descobre que tem Ejaculação Precoce. E agora, como resolver? Continue lendo...


Não há um tempo fixo para determinar a EP, mas existe a percepção do casal. É quando tanto o homem quanto a mulher percebe que foi rápido demais e ficam os dois insatisfeitos, o homem por não fazer o que gostaria plenamente e a mulher por mal ter sentido o... né? Em média uma relação sexual é considerada normal a partir de 3 (três) minutos de ----penetração----- ininterrupta, o que sendo alternado com outras carícias e etc dará uma relação sexual completa de uns 20 a 30 minutos. O mais importante é a percepção que o homem tem de seu momento ejaculatório, isto é, se você sabe ou não o momento exato em que vai ejacular e se tem controle sobre esse momento. Caso não saiba precisar e sente que quando esta perto não tem mais como retardar (claro que sem interromper completamente a relação) esse é um provável caso de Ejaculação Precoce.

No caso de Joãozinho (que é o da maioria dos homens) é um exemplo claro de como a aquisição de uma ---moldura--- psicológica pode afetar o comportamento durante toda a vida. Joãozinho sem saber transfere toda a tensão e ansiedade dos antigos momentos de masturbação reprimida e erroneamente estimulada pela cultura, de sua adolescência a sua atual relação sexual. Essa transferência foi condicionada (aprendida) e fez de sua busca pela satisfação (orgasmo) rápida e  ansiosa um ----hábito sexual----- adaptado. 

Na verdade, quando Joãozinho ejacula rapidamente com sua mulher, em ----sua mente---- é como se ele estivesse ainda no banheiro ou quarto de sua casa, ansioso para alcançar seu momento de prazer antes que alguém da casa o "pegue". Agora imagine essa transferência psicológica associada (+) a cobrança social do sexo "perfeito" e o "peso" da responsabilidade em satisfazer sua mulher?

Como eliminar a Ejaculação Precoce?

Eliminar a EP restrita a um fator psicológico é passar por um processo conhecido na Psicologia por ContraCondicionamento, que nesse caso será feito pelo próprio homem com a participação ativa de sua mulher. Isso requer tempo e muita paciência. Os resultados são construídos não de um dia para o outro, por isso também a importância da mulher certa, o que é fundamental para a cura. 

Abaixo listo algumas recomendações com base estritamente no modelo comportamental descondicionante. Considerando o problema psicológico de transferência emocional de um ambiente repressor, siga esses passos:

1º - Esqueça as rapidinhas... Elas só prejudicam ainda mais quem sofre de EP. Isso vale dependendo do caso, para aqueles sarros (amassos), casa de show (nem pensar), casa do amigo ou varanda escurinha do apartamento... esqueça! Se você quer realmente ficar legal, ao menos --- por enquanto --- fuja de todo tipo de situação, ambiente e clima que relembre a sua mente pessoas e situações repressoras ou inibitórias;

2º - Diferente do item 1º, tenha como meta pessoal fazer sexo apenas em lugares e circunstâncias ---plenamente--- favoráveis. Ou seja, sem preocupação alguma com horários, pessoas ou lugar. Escolha um lugar absolutamente tranquilo, livre de interrupções, onde você e sua mulher estejam completamente livres de tudo e todos;

Perceba que estes dois primeiros itens não tem nada haver propriamente com sexo, mas sim com as condições do ambiente, que foi onde toda a -- modelagem da experiência sexual -- começou... Não é interessante?  Vamos finalmente ao sexo? Ops!

3º - Seja franco com sua mulher, tudo o que ela quer ouvir é um homem verdadeiro querendo satisfazê-la. Por isso antes do vamos-ver, tenha uma boa conversa, explique qual a sua intenção e como você irá se comportar para resolver seu problema. Feito isso, elimine de sua mente qualquer autocobrança, sentimento de culpa ou obrigações (comum em quem sofre de EP). Compreenda que nem sempre o ápice da relação sexual é o orgasmo, principalmente para a mulher , mas sim o momento a dois, o decorrer do processo que pode ser tão prazeroso quanto (infelizmente como falei antes esse não é o valor dado atualmente e por isso, talvez, fique até difícil praticar, pois esse outro lado do prazer só existe quando há ----sentimento ----, se não for esse o caso para você a coisa ficará bem mais difícil);

4º - Valorize muuuuuuito as preliminares. Na verdade se detenha a elas a maior parte do seu tempo para que seu cérebro possa começar a descarregar toda a tensão e expectativas geradas quanto a posturas, carícias e fetiches verbais, pois outra coisa que pesa muito na Ejaculação Precoce é o grau de expectativa que o homem desenvolve para determinados tipos de posições sexuais e fetiches pornográficos. Ou seja, você precisa ACOSTUMAR com a visão da ----coisa---- ! Posturas e todo o tipo de estímulos que deixa você excitado. Para isso toque com as mãos, veja, fale, provoque, sinta o cheiro (cuidado! rsrs) excite-a e a medida que vai acostumando se deixe tocar, estimular, uma coisa de cada vez... gradualmente... caaaaalma...

5º - Talvez você só consiga chegar no 4º item, mas tenho certeza que com a prática e o tempo você sentirá a diferença. Após essa fase explore a masturbação, conheça todas as zonas erógenas do corpo de sua mulher e ela as suas. Depois que estiverem bem, mais bem, bem e bem excitados... levante-se e pegue uma garrafa de vinho (que foi?) ou outra coisa, mas que seja algo que possa "participar" do momento romântico e "segurar" a excitação por alguns minutinhos, e ai...

6º -  Quando iniciar o coito (vulgo: vuco-vuvo, chaca-chaca-na-buchaca, gratino, etc) faça penetrações leeeeentas, sentindo bem cada parte da vagina, sua temperatura, textura (sim amigo, textura!), etc. respire fundo concentrando-se nos olhos da amada. Pode ser apenas uma vez, não tem problema. Ponha e tire, passe um tempo, quando der ponha de novo (entendo... é uma tortura, mas é assim mesmo, tenha paciência e alcançarás a vitória!). Alterne com carícias, vinho (ops! devagar), o importante é não perder o clima e o romantismo. Faça isso repetidas vezes ao longo de várias relações. Obs. Ponha uma meta de tempo, estipule por exemplo 5 minutos desse exercício a cada vez, após isso fique livre para ejacular, pois assim você verá como o seu tempo irá aumentando gradativamente;

7º - Priorize posições menos excitantes, as mais requintadas deixe para o final do exercício. A medida que você for adquirindo maior controle ai sim, pode passar a utilizar as posições mais excitantes que ambos desejarem, mas sempre fazendo o mesmo exercício e sob as mesmas condições. No começo você poderá passar do ponto e não completar o exercício corretamente, isso é normal, se ejacular aproveite sem frustração e com bom humor, na próxima tome mais cuidado.

Para finalizar vou acrescentar outras dicas que considero importantes, mas antes tenho que enfatizar o seguinte: sem uma mulher interessada em lhe ajudar nada disso adianta, só piora. Portanto tenha em mente que sua parceira (tomara esposa) precisa estar ciente do exercício para ser ---uma com você---- e lhe proporcionar uma condição emocional agradável. O bom humor, por exemplo, é fundamental, portanto brinque, seja descontraído com a relação, o gozo vai ser beeeem melhor.

Dicas valiosas (extra):

1º - Camisinha retardante é melhor do que gel retardante, pois no caso da camisinha o retardante é interno, correndo menos risco de causar reação alérgica na vagina de sua mulher, diferente do gel, que precisa ser passado externamente ao pênis. Mas a camisinha retardante não é para ser um refúgio, apenas um auxílio. Utilize-a para ajudar acostumar com o "ambiente" durante os exercícios, depois disso vá diminuindo seu uso até não precisar mais do seu efeito retardante;

2º - Bebidas alcoólicas podem ajudar no processo de retardamento, simplesmente porque anestesiam um pouco os sentidos do corpo, no entanto não deve ser utilizada para tal propósito. Se quiser faça uso como um ingrediente romântico na relação, mas não como anestésico, pois será mais fácil você cair bêbado do que não ejacular (rsrs).

3º - Lembre-se, a EP que abordamos aqui é de origem psicológica/condicionante e, portanto deve ser tratada conscientemente, através de um trabalho comportamental de contracondicionamento. Ou seja, apesar das inúmeras receitas  por ai de como retardar a ejaculação poderem ter algum efeito, são apenas físicos e momentâneos e não resolvem o problema, além de poder prejudicar. Concentre-se em seu estado emocional. Procure ajuda de um especialista comportamental para adequar o tratamento mais correto possível para você.

Gostou do texto? Compartilhe sua experiência deixando seu comentário abaixo. Abraço e até a próxima...